• Category Archives Geral
  • Desenvolvimento da Autonomia e da Identidade nos Jovens Portugueses com Experiência Migratória

    Desenvolvimento da Autonomia e da Identidade nos Jovens Portugueses com Experiência Migratória
    Desenvolvimento da Autonomia e da Identidade nos Jovens Portugueses com Experiência Migratória «€14.00»

    José Pereira Ramalho – Desenvolvimento da Autonomia e da Identidade nos Jovens Portugueses com Experiência Migratória – Textos Universitários de Ciências Sociais e Humanas / Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação Par a Ciência e a Tecnologia / Ministério da Ciência e do Ensino Superior – Lisboa – 2003. Desc.[398] pág / 23 cm x 16 cm / Br


  • Poesias Cartas Chilenas

    Poesias Cartas Chilenas
    Poesias Cartas Chilenas «€60.00»

    Tomás António Gonzaga – Poesias Cartas Chilenas «Obras Completas» -Edição Crítica de M. Rodrigues Lapa – Ministério da Educação e Cultura / Instituto Nacional do Livro – Rio de Janeiro – 1957. Desc. 323 pág / 24,5 cm x 16,5 cm / Br.


  • “Os Lusíadas” e a Defesa E Expansão da Europa

    "Os Lusíadas" e a Defesa E Expansão da Europa
    “Os Lusíadas” e a Defesa E Expansão da Europa «€15.00»

    José Calvet de Magalhães – “Os Lusíadas” e a Defesa E Expansão da Europa «Conferência Proferida pelo Embaixador José Calvet de Magalhães, na Southeastern Massachusset Univertsity, em North Dartmouth, U. S. A em 10 de Junho de 1972» – Comissão Executiva do IV Centenário da Republica de «Os Lusíadas» – Lisboa – 1972. Desc. 25 pág / 24 cm x 16,5 cm / Br.


  • Cartas

    Cartas
    Cartas «€40.00»

    Manuel Laranjeira – Cartas – Documentos Humanos – Prefácio e Cartas de Miguel de Unamuno – Portugália Editora – Lisboa – 1943. Desc. 183 pág + 1 Estampa / 19 cm x 12,5 cm / Br. «1 Edição – Exemplar n.º324 »

     

     

    Manuel Laranjeira ( Mozelos – Santa Maria da Feira, 17 de Agosto de 1877 – m. Espinho, 22 de Fevereiro de 1912), foi médico e escritor português. Autor de teatro, ficção, ensaios, conferências, poesia e estudos sobre política, filosofia, religião a sua actividade literária inicia-se cedo, ainda estudante, como cronista em várias publicações periódicas da época, de que se destacam a “Revista Nova”, “A Arte” e “O Norte”. Foi amigo e correspondente de várias figuras intelectuais de destaque, entre elas, Amadeo de Souza-Cardoso com quem comunga várias das suas ideias e o poeta e filósofo espanhol Miguel de Unamuno, amizades de que resta vasta correspondência literária, política e filosófica. Manuel Laranjeira nasceu em 1877 em São Martinho de Moselos, hoje Mozelos, no concelho de Santa Maria da Feira. Oriundo de uma família modesta, é graças à herança recebida de um tio brasileiro que Manuel Laranjeira prossegue estudos secundários. É desta época (1898) a publicação de Os Filósofos. Dedica-se desde novo à poesia e ao teatro, colaborando em diversas publicações periódicas, como a Revista Nova, A Arte, A Voz Pública e O Norte, assinando crónicas (hoje compiladas) sobre temas tão diversos como política, crítica social, religião, literatura e outras artes, medicina, filosofia ou educação. Em 1898 fixa residência em Espinho, ao número 277 da Rua Bandeira Coelho (actual Rua 19) e matricula-se na Escola Médico-Cirúrgica do Porto, iniciando o curso superior de Medicina. É desta época o prólogo dramático Amanhã (1902). Formado em Medicina 1904, desenvolve intervenções de natureza social e política. É deste modo que o vemos agir politicamente, por exemplo, na Comissão de Propaganda do Centro Democrático de Espinho, e socialmente entrando em confronto, com polémicas crónicas na imprensa, com os ricos portugueses vindos do Brasil, ou com os doutores da Escola Médica do Porto, que criticou acerrimamente. Desta época são as suas conferências sobre biologia e o drama Às Feras (1905) Em 1907 inicia a sua tese de doutoramento, A doença da Santidade – com a qual obtém a classificação de 19 valores. Viaja entretanto até Madrid, visitando o Museu do Prado e mostra interessa em fixar-se em Paris onde se encontrava o pintor e amigo Amadeo de Souza-Cardoso. Manuel laranjeira é aliás um dos primeiros a reconhecer, através dos desenhos que o amigo lhe enviava, a qualidade artística de Amadeu referindo-se a ele, enquanto ainda estudante em Paris, como “um artista no significado absoluto do termo”. Em 1908 conhece Miguel de Unamuno em Espinho, trocando com ele correspondência. É vasta a correspondência de Manuel Laranjeira (toda ela publicada e compilada) com Unamuno, João de Barros, António Patrício, Afonso Lopes Vieira, Teixeira de Pascoaes, Teófilo Braga, Ramalho Ortigão, Amadeo de Souza-Cardoso, entre outros. No entanto, ainda novo, sentindo os efeitos da doença (uma sífilis nervosa), desiludido com a inépcia dos políticos e com a falta de incentivos culturais no quotidiano nacional, foi sujeito a crises depressivas, oscilando a sua vida entre o prazer e uma profunda tristeza e tédio. Muitos destes sentimentos moldam o seu carácter reflectido nos seus escritos. Esta disposição acentua-se progressivamente, e as crises de depressão agravam-se. No final da tarde do dia 22 de Fevereiro de 1912, estando já acamado, deprimido e desesperado com a doença, suicida-se com um tiro na cabeça. Dotado de um saber enciclopédico e de uma vasta cultura literária e artística (conhecia pelo menos cinco línguas, o que lhe permitia ler no original os escritos que moldavam os espíritos do século XIX), Laranjeira possuía ainda um espírito mordaz e contundente, o que o levou a intervir na vida do nosso país assumindo-se como um espírito permanente insatisfeito com a pequenês da sociedade e da cultura que o rodeava. Tem, actualmente, em Espinho uma escola com o seu nome: Escola Secundária Dr. Manuel Laranjeira.

    Miguel de Unamuno y Jugo (Bilbau, 29 de Setembro de 1864 – 31 de Dezembro de 1936) foi um escritor, poeta e filósofo espanhol. Nasceu em Ronda del Casco Viejo (Bilbau) e faleceu em Salamanca. Considerado a figura mais completa da Gerações de 98, um grupo constituído por nomes como António Machado, Azorín, Pío Baroja, Ramón del Valle-Inclán, Ramiro de Maetzu, Angel Ganivet, entre outros. Estudou na Universidade de Madrid onde tirou o curso de Filosofia e Letras e mais tarde obteve a cátedra de grego na Universidade de Salamanca. Dez anos depois foi nomeado reitor da universidade salmantina. Foi conhecido também pelos sucessivos ataques à monarquia de Afonso XIII de Espanha. De 1926 a 1930 viveu no exílio, primeiro nas Ilhas Canárias e depois em França, de onde só voltou depois da queda do general Primo de Rivera. Mais tarde o General Francisco Franco afastou-o novamente da vida pública, devido a críticas duras feitas ao General Millán Astray, acabando por passar os seus últimos dias de vida numa casa em Salamanca.


  • Stanley & Janice Berenstain


  • Freya Stark / Um Inverno na Arábia – Imagens de Bagdad

     

     

    Dame Freya Stark Madeline ( Sra. Stewart Perowne ),(nascido em 31 de Janeiro de 1893 em Paris, França , morreu 9 de maio de 1993 em Asolo , Itália ) foi um britânico explorador e escritor de viagens. Ela escreveu mais de duas dezenas de livros sobre suas viagens no Oriente Médio e no Afeganistão, bem como várias obras autobiográficas e ensaios. Ela foi um dos primeiros não-árabes para viajar através do sul desertos da Arábia . Freya Stark Madeline nasceu em 31 de Janeiro 1893, em Paris, onde seus pais estavam estudando art. Sua mãe, Flora, era um italiano de ascendência polonesa / Alemão;. Seu pai, Robert, um pintor Inglês de Devon  Stark passou grande parte de sua infância no norte da Itália, ajudado pelo fato de que o Pen Browning , um amigo de seu pai, tinha comprado três casas em Asolo. Sua avó materna viveu em Génova . Por seu nono aniversário, ela recebeu uma cópia de As Mil e Uma Noites , e ficou fascinado com o Oriente. Ela era muitas vezes mal enquanto jovem e confinado na casa, então ela encontrou uma saída na leitura. Ela adorava ler francês, em particular Dumas , e ela mesma ensinou Latina. Quando ela tinha 13 anos, ela sofreu um acidente em uma fábrica na Itália, quando seu cabelo ficou preso em uma máquina, e ela teve que passar quatro meses recebendo enxertos de pele no hospital, o que deixou o rosto um pouco desfigurado.Durante sua infância, seus pais se separaram. Mais tarde, ela aprendeu árabe e persa , e estudou história em Londres. Durante a Primeira Guerra Mundial, ela treinou como um VAD e serviu inicialmente com Trevelyan GM ‘s da Cruz Vermelha britânica unidade de ambulância, com base no Villa Trento perto de Udine . Sua mãe havia permanecido na Itália e levado uma participação em uma empresa, sua irmã Vera se casou com o co-proprietário.Em Novembro de 1927 ela visitou Asolo, pela primeira vez em anos. Mais tarde, naquele mês, ela embarcou em um navio para Beirute, onde ela viaja no Oriente começou. Ela ficou em primeiro lugar na casa de James Elroy Flecker no Líbano, em seguida, em Bagdad, Iraque (então um protectora do britânico), onde conheceu o alto comissário britânico . Em 1931, ela havia completado três caminhadas perigosas para o deserto do oeste do Irã, partes da qual nenhum ocidental nunca tinha visitado, e que tinha localizado os Vales de longa fábula dos Assassinos ( Hashshashins ). Ela descreveu essas explorações em vales de dos Assassinos (1934). Em 1935, ela viajou para o Hadhramaut , o interior do sul da Arábia, onde apenas um punhado de exploradores ocidentais haviam aventurado, nunca. tão longe ou tão amplamente como ela foi Ela publicou seu relato sobre a região em três livros, Os Sul Gates of Arabia: Uma viagem no Hadhramaut (1936), visto no Hadhramaut (1938) e A Winter na Arábia (1940). Durante a II Guerra Mundial, ela se juntou ao Britânico Ministério da Informação , e contribuiu para a criação da propaganda rede Ikhwan al Hurriya (‘Brotherhood of Freedom “), que visa convencer os árabes a apoiar os Aliados ou pelo menos manter-se neutro.Estes tempos de guerra experiências foram descritas em suas Cartas da Síria (1942) e Oriente é Ocidente (1945). Em 1947, com a idade de 54 anos, ela se casou com Stewart Perowne , um administrador e historiador britânico. O casal não tinha filhos, e separados em 1952 (mas não o divórcio). Durante esses anos, ela escreveu nada sobre viagens e explorações, mas publicou um volume de ensaios diversos, Perseus in the Wind (1948) e três volumes de autobiografia, Prelude Traveller (1950), além de Eufrates. Autobiografia 1928-1933 (1951) e A Costa do Incenso. Autobiografia 1933-1939 (1953). Stewart Perowne morreu em 1989. Suas primeiras viagens extensas após a guerra eram na Turquia, que foram a base de seus livros Ionia uma Missão (1954), A costa Lícia (1956), Caminho de Alexander (1958) e equitação para o Tigre (1959). Após isso, ela continuou suas memórias com Dust in pata do leão. Autobiografia 1939-1946 (1961), e publicou uma história de Roma sobre o Eufrates: A história de uma Frontier(1966) e outra colectânea de ensaios, The Arch Signo (1968). A última expedição de sua velhice foi para o Afeganistão, e em 1970 ela publicou O Minarete de Djam: uma excursão para o Afeganistão . Em sua aposentadoria em Asolo, além de uma breve pesquisa, Turquia: um esboço da história turca (1971), ela se ocupou de montar uma nova colecção de ensaios, um pico em Darien (1976), e preparar selecções de suas cartas ( 8 volumes, 1974-1982, um volume, sobre a borda do mundo: letras selecionadas , 1982) e de seus escritos de viagem, eco do Journey (1988). Ela morreu em A solo em 9 de Maio de 1993, poucos meses após seu centésimo aniversário.

     

     


  • Para Compreender A Pintura «Impressionistas e Simbolistas de Manet a Lautrec»

    Para Compreender A Pintura «Impressionistas e Simbolistas de Manet a Lautrec» «€60.00»

    Lionello Venturi –  Para Compreender A Pintura «Impressionistas e Simbolistas de Manet a Lautrec»  «Tradução do Dr. Nataliel Costa – Estúdios Cor – Lisboa – 1954.Desc.235 Pagi + 217 Gravuras / 25,5 cm  x 19 cm / Encadernação Original


  • Oceanos – Misericórdias – Cinco Séculos

    Oceanos - Misericórdias - Cinco Séculos
    Oceanos – Misericórdias – Cinco Séculos «€15.00»

    Revista – Oceanos – Misericórdias – Cinco Séculos  –  Numero  –  35  –  Julho / Setembro   –  1998   –   Comissão Nacional   Para   as  Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – Lisboa – 1998. Desc. 144 Pagi /37,5 cm x 27,5 cm/ Br.


  • Oceanos – Ouriversaria Luso-Brasileira do Ciclio do Ouro e dos Diamantes

    Oceanos - Ouriversaria Luso-Brasileira do Ciclio do Ouro e dos Diamantes
    Oceanos – Ouriversaria Luso-Brasileira do Ciclio do Ouro e dos Diamantes «€25.00»

    Revista – Oceanos – Ourivesaria Luso – Brasileira do Ciclo do Ouro e dos Diamantes  – Numero  –  43  –  Julho / Setembro   –  2000   –    Comissão Nacional   Para   as  Comemorações dos Descobrimentos  Portugueses – Lisboa – 2000. Desc. 195 Pagi /37,5 cm x 27,5 cm/ Brochado


  • Oceanos – Vasco da Gama

    Oceanos - Vasco da Gama
    Oceanos – Vasco da Gama «€15.00

    Revista – Oceanos –  Vasco da Gama – Numero  –  33  –  Janeiro / Março   –  1998   –    Comissão Nacional   Para   as  Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – Lisboa – 1998. Desc. 174 Pagi /37,5cm x 27,5cm/ Brochado


  • Oceanos – Fortalezas da Expansão Portuguesa

    Oceanos - Fortalezas da Expansão Portuguesa
    Oceanos – Fortalezas da Expansão Portuguesa «€20.00»

    Revista – Oceanos –  Fortalezas da Expansão Portuguesa – Numero  –  28  –  Outubro / Dezembro   –  1996   –    Comissão Nacional   Para   as  Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – Lisboa – 1996. Desc. 126 Pagi /37,5 cm x 27,5 cm/ . Ilust.


  • Oceanos – A Luz do Mundo – Iluminurias Portuguesas Quinhentistas

    Oceanos - A Luz do Mundo - Iluminurias Portuguesas Quinhentistas
    Oceanos – A Luz do Mundo – Iluminurias Portuguesas Quinhentistas «€25.00»

    Revista – Oceanos – A Luz do Mundo – Iluminurias   Portuguesas  Quinhentistas – Numero  –  26  –  Abril/Junho  – 1996  –   Comissão Nacional   Para   as  Comemorações dos Descobrimentos Portugueses – Lisboa – 1996. Desc. 128 Pagi /37,5cm x 27,5cm/ Brochado