• Tag Archives História Contemporânea
  • O Grande Dia (6 de Junho de 1944)-1944

    O Grande Dia (6 de Junho de 1944)
    O Grande Dia (6 de Junho de 1944) «€15.00»

    Gilles Perrault – O Grande Dia (6 de Junho de 1944) – Livraria Bertrand  – Lisboa – 1975. Desc. 387 Pagi / 21,5 cm x 16 cm / E.

     

    Gilles Perrault ( 09 de Março de 1931, Paris ) é um esquerdista francês escritor e jornalista . Ele participou do Collège Stanislas de Paris e estudou no Institut d’Etudes Politiques , tornando-se um advogado, uma profissão, ele trabalhou em cinco anos. Depois do sucesso de seu ensaio ‘Les parachutistes’ (1961), inspirado por seu serviço militar na Argélia , tornou-se jornalista e escreveu artigos sobre Nehru s ‘ da Índia , o Verão de 1964 Jogos Olímpicos em Tóquio e os problemas de afro-americanos no Brasil Estados . Ele, então, investigado menos conhecidos aspectos da Segunda Guerra Mundial . Le Secret du jour J (1964) ( Segredos da D-Day , 1974) ganhou um prêmio da acção do Comité de Resistência la e foi um bestseller internacional. L’Orchestre Rouge (1967) foi ainda mais bem sucedida. Em 1969, Perrault publicou um romance de espionagem, Le dossier 51 . Em 1990, Perrault publicou Notre ami le roi ( Nosso Amigo do Rei , 1993) sobre o regime e as violações de direitos humanos de Hassan II , na altura o rei de Marrocos , que até então tinha sido relatado positivamente por causa de suas estreitas relações com o mundo ocidental . Livro de Perrault Le Garçon aux yeux gris (2001) foi adaptado por André Téchiné para o filme Les Egares .


  • Vida e Obra de José Gomes Ferreira «O Drama do Apostolado Poético-Social de 28 de Maio de 26 de Abril de 1974, Seguindo de Uma Antologia Breva de José Gomes Ferreira e de Uma Bibliografia Organizada por Alexandre Vargas Ferreira

    Vida e Obra de José Gomes Ferreira «O Drama do Apostolado Poético-Social de 28 de Maio de 26 de Abril de 1974, Seguindo de Uma Antologia Brava de José Gomes Ferreira e de Uma Bibliografia Organizada por Alexandre Vargas Ferreira
    Vida e Obra de José Gomes Ferreira «O Drama do Apostolado Poético-Social de 28 de Maio de 26 de Abril de 1974, Seguindo de Uma Antologia Breva de José Gomes Ferreira e de Uma Bibliografia Organizada por Alexandre Vargas Ferreira «€20.00»

    Alexandre Pinheiro Torres –  Vida e Obra de José Gomes Ferreira «O Drama do Apostolado Poético-Social de 28 de Maio de 26 de Abril de 1974, Seguindo de Uma Antologia Breva de José Gomes Ferreira e de Uma Bibliografia Organizada por Alexandre Vargas Ferreira – Livraria Bertrand – Lisboa – 1975. Desc.406 /21,5cm x15,5cm Encadernação de Origem em Capa de Cartão «1 Edição»

     

    Alexandre Maria Pinheiro Torres (Amarante, 27 de Dezembro de 1923 – 3 de Agosto de 1999) foi um escritor, historiador de literatura, crítico literário português do movimento neo-realista. Filho de João Maria Pinheiro Torres e de Margarida Francisca da Silva Pinheiro Torres, estudou na Universidade do Porto, onde se bacharelou em Ciências Físico -Químicas. Mais tarde na Universidade de Coimbra tirou a licenciatura em Letras (Ciências Histórico-Filosóficas). Foi um dos fundadores da revista A Serpente. Enquanto residia em Coimbra, conviveu em com diversos poetas da sua época. Esse grupo de poetas tiveram parte das suas obras poéticas reunidas no Novo Cancioneiro. Foi professor do ensino secundário até ao momento em que foi obrigado a exilar-se no Brasil. A partir de 1965 esse exílio foi continuado em Cardiff (País de Gales), onde foiprofessor na Faculdade de Cardiff. O exílio de Pinheiro Torres foi consequência de ter sido proibido de ensinar em Portugal, pelo regime Salazarista. Essa proibição foi consequência de o escritor, quando convidado pela Sociedade Portuguesa de Escritores para fazer parte em 1965 do júri do Grande Prémio de Ficção ter querido atribuir esse prémio à obra “Luanda” de Luandino Vieira que estava preso no Tarrafal em Cabo Verde por motivos políticos. Este exílio só seria quebrado quando regressava a Portugal em férias ou de passagem. Na Universidade de Cardiff em 1970, criou a disciplina “Literatura Africana de Expressão Portuguesa”. Foi a primeira universidade inglesa a ter essa disciplina. Em 1976 fundou um departamento designado por “Departamento de Estudos Portugueses e Brasileiros”. Ao longo da sua vida fez diversas traduções de Hemingway e de D. H. Lawrence. A Sociedade Portuguesa de Autores fez em 27 de Novembro de 1997 uma Sessão Solene de Homenagem aos 50 anos de Vida Literária do escritor.


  • Terras Velhas Semeadas de Novo «Uma Realidade Portuguesa os Trabalhadores nas Cooperativas»

    Terras Velhas Semeadas de Novo«Uma Realidade Portuguesa os Trabalhadores nas Cooperativas»
    Terras Velhas Semeadas de Novo«Uma Realidade Portuguesa os Trabalhadores nas Cooperativas» «€20.00»

    Antunes da Silva – Terras Velhas Semeadas de Novo «Uma Realidade Portuguesa os Trabalhadores nas Cooperativas» (Reportagem) – Livraria Bertrand – Lisboa – 1976. Desc. 229 Pagi /21,5 cm x 15,5 cm / Encadernação de Origem em Capa de Cartão

     

    Armando Antunes da Silva (1921-1997) nasceu e faleceu em Évora. Frequentou a Escola Comercial de Évora, abandonando os estudos aos treze anos para trabalhar num escritório. Em 1948, fixa-se em Lisboa onde, a por do trabalho na secção de publicidade e de relações públicas numa empresa industrial, se dedica à escrita. Colaborou em várias publicações, destacando-se a revista Vértice, os jornais O Comércio do Porto, o Diário Popular, o Diário de Notícias, o Diário de Lisboa e O Diabo. A sua obra pertence ao Neo-realismo. Antunes da Silva publicou dois diários. O primeiro tem por título Jornal I – Diário e foi publicado em 1987, reportando-se a registos de 1984 e 1985. O segundo tem por título Jornal II – Diário e foi publicado em 1990, reportando-se a registos de 1986-1990. O autor, a viver na cidade de Évora, vai falando da velhice, tece opiniões sobre o que vai acontecendo na região, em Portugal e no mundo. Descreve a paisagem alentejana em diferentes momentos, fala de literatura, tece reflexões sobre o passado e sobre a sua vida presente. Relata viagens (uma delas aos Açores e outra a Macau). A cada passo, transcreve poemas. O estilo é simples e sem grandes pretensões.


  • O Homem Eterno

    O Homem Eterno
    O Homem Eterno «€15.00»

    Louis Pauwels e Jacques Bergier  – O Homem Eterno – Livraria Bertrand – Lisboa – 1971. Desc. 361 Pagi /21,5 cm x 16 cm / E.

    Jacques Bergier ( francês:  , nascido Yakov Mikhailovich Berger ; russo; Odessa , 08 de Agosto de 1912 – 23 de Novembro de 1978, Paris), era um engenheiro químico , membro da resistência francesa , espião , jornalista e escritor . Ele co-escreveu o best-seller O Despertar dos Mágicos com Pauwels Louis derealismo fantástico . Yakov Mikhailovich Berger , que mais tarde adoptou o nome de Jacques Bergier  , nasceu em Odessa em 1912. Mikhail Berger, seu pai, era um judeu mercearia atacado e sua mãe, Etlia Krzeminiecka, era um ex-revolucionário. Um tio-avô de sua era uma milagrosa rabino e em sua autobiografia, Je ne suis pas une légende , Bergier diz que ele era um primo do físico nuclear George Gamow e de um certo Anatoly, um membro do pelotão de fuzilamento que atirou czar Nicolau II . Ele era um talentoso filho: em dois leu seu primeiro jornal e às quatro, ele poderia facilmente ler russo , francês e hebraico . Ele era um leitor da velocidade (até o final de sua vida, ele poderia ler 4-10 livros por dia) e tinha uma memória fotográfica . Ele era uma criança cheia de vida, e ele contou histórias fabulosas som de discutir a estratégia com os generais, bem como falar com prostitutas de rua em Odessa. Ele nunca foi à escola, mas teve professores particulares. Em 1920, a Guerra Civil Russa forçaram a família Berger a refugiar-se na pátria Etlia em Krzemeiniec , Northwestern Ucrânia . Jovem Yakov Mikhailovich foi a um talmúdica escola e ele ficou encantado com o estudo da Cabala e seus mistérios. Além disso, ele estudou matemática , física , alemão e Inglês . Ele leu tudo o que poderia colocar as mãos, mas sua leitura favorita era ficção científica . Em 1925, a família se mudou para a França . Ele tornou-se um assistente para o notável físico atómico francês André Helbronner que foi morto pela Gestapo para o final de Segunda Guerra Mundial . De acordo com Walter Lang , Bergier foi abordado por Fulcanelli com uma mensagem para Helbronner sobre o uso possível do homem de armas nucleares . A reunião teve lugar em Junho de 1937, em um laboratório da Directoria de Gás em Paris Em 1954 conheceu Bergier Louis Pauwels, escritor e editor, em Paris. Eles, mais tarde, colaborar no livro, Le Matin des Magiciens que foi publicado na França em 1960. Este livro leva o leitor a um passeio de neo-surrealista da história europeia moderna focando a influência suposta das sociedades ocultas e secretas sobre política. Ele também tenta se conectar a alquimia com a física nuclear, sugerindo que os alquimistas primeiros entendido mais sobre a função real de átomos do que eles são creditados. Le Matin des Magiciens era muito popular com a cultura da juventude na França na década de 1960 e 1970. Foi traduzido para o Inglês por Rollo May, em 1963, sob o título The Dawn of Magic . Ele apareceu pela primeira vez nos EUA em forma de livro em 1968, como O Despertar dos Mágicos . Este livro deu origem a todo um género de explorações em muitas das idéias que ela levantadas, tais como ligações entre o nazismo e o ocultismo . Tornou-se um clássico cult, muitas vezes referenciado por teoria de conspiração entusiastas e os interessados em ideias de história proibida e estudos ocultos. A questão permanece: quanto dentro do conhecimento que Pauwels e Bergier realmente tem, ou quanto de sua tese foi invenção meramente imaginativo? De qualquer maneira, sua magica mistério da dialéctica entre materialismo e metafísica continua a influenciar os pesquisadores neste campo hoje. Pauwels e Bergier colaborou em dois livros posteriores de ensaios, Possibilidades Impossível e O Homem Eterno . Eles também que produziu um jornal chamado Planète que explorou ideias esotéricas. Bergier estava interessado nas possibilidades de vida extraterrestre e explorou relatos de avistamentos de OVNIS. Jacques Bergier morreu em Novembro de 1978, dizendo de si mesmo: “Eu não sou uma lenda.”


  • Memórias de Maurice Chevalier

    Memórias de Maurice Chevalier
    Memórias de Maurice Chevalier «€15.00»

    Marcel Pagnol – Memórias de Maurice Chevalier – Livraria Bertrand – Lisboa – 1968. Desc. 295 Pagi /21,5 cm x 16 cm /E.

     Pagnol nasceu em 28 de Fevereiro de 1895, em Aubagne , Bouches-du-Rhône departamento , no sul da França perto de Marselha , o filho mais velho do professor Joseph Pagnol  e costureira Agostinho Lansot. Marcel Pagnol cresceu em Marselha com seu jovem irmãos Paulo, René, e irmã mais nova Germaine.Para espanto de seu pai, Pagnol aprendeu a ler em uma idade jovem.  Sua mãe, no entanto, não permitiu que ele tocasse um livro até que ele tinha seis anos “por medo de explosão cerebral”. Em julho 1904 , a família alugou oNeuve Bastide ,  – uma casa na aldeia sonolenta provençal de La Treille -. das férias de Verão, o primeiro de muitos gastos no campo montanhoso entre Aubagne e Marselha  Sobre o mesmo tempo, saúde de Agostinho, que nunca tinha sido robusto, começou a visivelmente declinar e em 16 junho de 1910, ela sucumbiu a uma infecção no peito ( “mal de poitrine” ) e morreu, aos 36 anos. José casou-se novamente em 1912. Em 1913 , com a idade de 18 anos, Marcel passou seu bacharelado em filosofia e começou a estudar literatura na Universidade de Aix-en-Provence. Quando a Primeira Guerra Mundial começou, ele foi chamado para a infantaria, em Nice, mas em janeiro de 1915, ele foi dispensado por causa de sua constituição pobres ( “faiblesse de Constituição” ).Em 2 de março de 1916, ele se casou com Simone Colin em Marselha e em novembro se formou em Inglês.  Ele se tornou um professor de Inglês, ensinando em várias faculdades locais e em um liceu em Marselha Em 1922, ele se mudou para Paris , onde ensinou Inglês até 1927, quando ele decidiu, em vez de dedicar sua vida a dramaturgo. Durante este tempo, ele pertencia a um grupo de jovens escritores, em colaboração com um dos quais, Paulo Nivoix , ele escreveu a peça, comerciantes de Glória , que foi produzido em 1924. Este foi seguido, em 1928, por Topaze , uma sátira baseada em ambição. Exilado em Paris, retornou nostalgicamente às suas raízes provençais, tendo este como seu cenário para sua peça, Marius , que mais tarde tornou-se o primeiro filme Pagnol em 1931 . Separado de Simone Collin desde 1926 (embora não se divorciaram até 1941), formou um relacionamento com a jovem dançarina Inglês Kitty Murphy:. Seu filho, Jacques Pagnol, nasceu em 24 de setembro de 1930  (Jacques tarde tornou-se assistente de seu pai e posteriormente um cinegrafista de France 3 Marseille ).Em 1926, em uma visita a Londres, Pagnol participou de uma exibição de um dos primeiros filmes a falar e ele estava tão impressionado que decidiu dedicar seus esforços para cinema. Ele contactou Paramount Imagem estúdios e sugeriu adaptar seu jogo Marius para o cinema. Este foi dirigido por Alexander Korda e lançado em 10 de Outubro de 1931. Tornou-se um dos primeiros sucesso de língua francesa filmes que falam. Em 1932 fundou Pagnol seus próprios estúdios de produção de filmes no campo, perto de Marselha. Na próxima década Pagnol produziu seus próprios filmes, tendo muitos papéis diferentes na produção – director financeiro, roteirista, diretor de estúdio, e língua estrangeira tradutor script – e empregar os maiores atores franceses da época. Em 4 de Abril de 1946, Pagnol foi eleito para a Académie Française , tendo sua sede em Março de 1947, o primeiro cineasta a receber esta honra. Em seus filmes, Pagnol transfere seus talentos de dramaturgia para o grande ecrã. Seu estilo de edição é sombrio reservados, colocando ênfase no conteúdo de uma imagem.Como naturalista pictórica, Pagnol confia em filme como arte para transmitir um significado mais profundo e não apenas uma ferramenta para contar uma história. Pagnol também teve um grande cuidado no tipo de actores que ele empregados, contratar atores locais para aparecer em seus filmes para destacar seus sotaques originais e cultura. . Semelhante a suas peças, Pagnol enfatiza diálogo e musicalidade de seus filmes. O tema de muitos filmes de Pagnol gira em torno da observação aguda de rituais sociais. O uso de símbolos intercambiáveis e recorrendo  papéis do caráter, tais como pais orgulhosos e crianças rebeldes, Pagnol ilumina a vida provinciana da classe mais baixa. Notavelmente, Pagnol também frequentemente compara mulheres e terra, mostrando tanto pode ser estéril ou fértil. Acima de tudo, todo o Pagnol usa isso para ilustrar a importância dos laços humanos e a sua renovação. Em 1945, Pagnol re-casados, a atriz Jacqueline Bouvier . Eles tiveram dois filhos juntos, Frédéric (nascido em 1946) e Estelle (nascido em 1949). Estelle morreu com a idade de dois. Pagnol foi tão devastada que ele fugiu do sul e voltou a morar em Paris. Ele voltou a escrever peças, mas depois de sua próxima peça foi mal recebida, ele decidiu mudar seu trabalho mais uma vez e começou a escrever uma série de romances autobiográficos – Souvenirs d’enfance – com base em suas experiências de infância. Em 1957, os dois primeiros romances da série, La Gloire de mon père e Le château de ma mère foram publicados a aclamação instante. O terceiro Le Temps des segredos foi publicado em 1959;  embora as quarta Le Temps des Amours era permanecer inacabado e não foi publicado até 1977, depois de sua morte. Enquanto isso, Pagnol virou-se para uma segunda série, L’Eau des Collines – Jean de Florette e Manon des Sources – que incidiu sobre as maquinações da vida camponesa provençal na virada do século XX e foram publicados em 1962.  Pagnol morreu em Paris em 18 de abril de 1974. Ele foi enterrado em Marselha no cemitério La Treille , junto com sua mãe e seu pai, irmãos e esposa. Seu amigo de infância, David Magnan ( Lili des Bellons nos autographies), morreu na Segunda Batalha do Marne , em julho de 1918, e foi enterrado nas proximidades. Pagnol a adaptar seus próprios filmes Manon des Sources , com sua esposa, Jacqueline, no papel título, em duas novelas, Jean de Florette e Manon des Sources , coletivamente intitulado L’Eau des Collines . Na década de 1980, ambos os livros foram adaptados para o cinema por volta cineasta Claude Berri , de fama internacional. Reminiscências afectivas Pagnol de infância, La Gloire de mon père e Le château de ma mère também foram filmados com sucesso por Yves Robert , em 1990.


  • Ofício de Espião

    Ofício de Espião
    Ofício de Espião «€15.00»

    Allen Dulles – Ofício de Espião – Livraria Bertrand – Lisboa – 1963. Desc. 378 Pagi /21,5 cm x 16 cm / E.

     

     Allen Dulles nasceu em 7 de Abril de 1893, em Watertown, Nova Iorque  , e cresceu em uma família onde o serviço público foi valorizado e assuntos do mundo foram um tema comum de discussão. Dulles foi um dos cinco filhos de Presbiteriana ministro Allen Dulles Macy e sua esposa Edith (Foster). Ele era cinco anos mais novo que seu irmão John Foster Dulles , Dwight D. Eisenhower oSecretário de Estado e presidente e sócio sênior da Sullivan & Cromwell , e dois anos mais velho do que sua irmã, diplomata Eleanor Lansing Dulles . Seu avô materno era John W. Foster , que foi secretário de Estado de Benjamin Harrison . Seu avô paterno, John Welch Dulles, tinha sido um missionário presbiteriano na China. Seu tio (por casamento), Robert Lansing , também foi um Secretário de Estado dos EUA. Seu sobrinho, Avery Dulles , era um católico romano cardeal , jesuíta padre, teólogo e notou que lecionava naUniversidade de Fordham . Dulles graduou Universidade de Princeton , onde participou na Sociedade Whig-Cliosophic americana  , e entrou no serviço diplomático em 1916. Quando Dulles estava servindo na Suíça, ele foi o responsável por analisar e rejeitar Vladimir Lenin aplicação é para um visto para os Estados Unidos.  Em 1920 ele se casou com Clover Todd, filha de uma Universidade de Columbia professor; seu único filho, Allen Macy Dulles Jr., foi ferido e permanentemente desativado na Guerra da Coreia , quando um fragmento de argamassa penetrou seu cérebro. Em 1921, enquanto na Embaixada dos EUA em Istambul , Dulles expostos os famosos Protocolos dos Sábios de Sião como uma falsificação, proporcionando a história para o The Times de Londres. O artigo foi reimpresso no The New York Times .  Em 1926, ele se formou em Direito da George Washington University Law School e aceitou um emprego na firma de Nova York, onde seu irmão, John Foster Dulles, era sócio. Ele se tornou um diretor do Conselho de Relações Exteriores , em 1927, o primeiro diretor novo desde a fundação do Conselho, em 1921. Ele foi secretário do Conselho de 1933-1944. 


  • Salazar (Pensamento e Doutrina Politica Texto Antológico)-2

    Salazar
    Salazar (Pensamento e Doutrina Politica Texto Antológico) «€30.00»

    Mendo castro Henriques e Gonçalo de Sampaio e Melo – Salazar (Pensamento e Doutrina Politica Texto Antológico) – Verbo – Lisboa – 1989. Desc. 422 pag / 21 cm x 15 cm / Br


  • O Controle de Genebra

    O Controle de Genebra
    O Controle de Genebra «€50.00»

    Artur Virgilio Alves Reis – O Controle de Genebra – Edição de Autor – Lisboa – 1928. Desc. 208 + CLXI + 2 Mapas Explicativo das Indicações Literais de 23 Notas Triplicadas das Mesmas Séries e com o Mesmo Número/ 23,5 cm x 16 cm / Br.

    Artur Virgílio Alves Reis (Lisboa, 3 de Setembro de 1898 – 9 de Julho de 1955) foi certamente o maior burlão da história portuguesa e possivelmente um dos maiores do Mundo. Foi o cabecilha da maior falsificação de notas de banco da História: as notas de 500 escudos, efígie Vasco da Gama, em 1925. Filho de uma família modesta (o pai era cangalheiro, tinha problemas financeiros e acabou por ser declarado insolvente) Alves Reis quis estudar engenharia. Efectivamente, começou o primeiro ano do curso, mas abandonou-o para casar com Maria Luísa Jacobetty de Azevedo, no mesmo ano em que a casa comercial do pai faliu. Em 1916, emigrou para Angola, para tentar fazer fortuna e assim escapar às humilhações que lhe eram impostas pela abastada família de Luísa, devido à diferença de condição social. Começa como funcionário público nas obras públicas de esgotos. Para ir para Angola, fez-se passar por engenheiro, depois de ter falsificado diploma de Oxford, aliás de uma escola politécnica de engenharia que nem sequer existia: a Polytechnic School of Engineering. De acordo com esse diploma falsificado, teria estudos de ciência da engenharia, geologia, geometria, física, metalurgia, matemática pura, paleografia, engenharia eléctrica e mecânica, mecânica e física aplicadas, engenharia civil geral, engenharia civil e mecânica, engenharia geral, design mecânico e civil. Ou seja, quase tudo. Com um cheque sem cobertura, comprou a maioria das acções da companhia dos Caminhos de Ferro Transafricanos de Angola, em Moçâmedes. Tornou-se rico e ganhou prestígio. De volta a Lisboa em 1922, compra uma empresa de revenda de automóveis americanos. Depois tenta apoderar-se da Companhia Ambaca. Para o conseguir, passou cheques sem cobertura e usou depois o dinheiro da própria Ambaca para cobrir os cheques sobre a sua conta pessoal. No total, apropriou-se ilegitimamente de 100 mil dólares americanos. Com esse dinheiro comprou também a Companhia Mineira do Sul de Angola. No entanto, antes de controlar toda a Ambaca, foi descoberto e preso no Porto, em Julho de 1924, por desfalque. Foi acusado também de tráfico de armas. Foi durante o tempo da prisão (só esteve preso 54 dias e foi libertado em 27 de Agosto de 1924 por pormenores processuais) que concebeu o seu plano mais ousado. A sua ideia era falsificar um contrato em nome do Banco de Portugal, o banco central emissor de moeda, e que na altura era uma instituição parcialmente privada, que lhe permitiria obter notas ilegítimas mas impressas numa empresa legítima e com a mesma qualidade das verdadeiras. Em 1924, Alves dos Reis contactou vários cúmplices e outros colaboradores de boa-fé para pôr o seu plano em marcha. Entre os seus cúmplices e colaboradores encontrava-se o financeiro holandês Karel Marang van Ijsselveere; Adolph Hennies, um espião alemão; Adriano Silva; Moura Coutinho; Manuel Roquette e especialmente José Bandeira. Um pormenor importante era que José Bandeira era irmão de António Bandeira, o embaixador português em Haia. Alves dos Reis preparou um contrato fictício e conseguiu que este contrato fosse reconhecido notarialmente. Através de José Bandeira, obteve também a assinatura de António Bandeira. Conseguiu ainda que o seu contrato fosse validado pelos consulados da Inglaterra, da Alemanha e França. Traduziu o contrato em francês e falsificou assinaturas da administração do Banco de Portugal. Através de Karel Marang, dirigiu-se a uma empresa de papel-moeda holandesa, mas esta remeteu-os para a empresa britânica Waterlow & Sons Limited de Londres, que era efectivamente a casa impressora do Banco de Portugal. Em 4 de Dezembro de 1924, Marang explicou a sir William Waterlow que, por razões políticas, todos os contactos ligados à impressão das novas notas deveriam ser feitos com a maior das discrições. O alegado objectivo das notas era conceder um grande empréstimo para o desenvolvimento de Angola. Cartas do Banco de Portugal para a Waterlow & Sons Limited foram também falsificadas por Alves dos Reis. William Waterlow escreveu uma carta confidencial ao governador do Banco de Portugal Inocêncio Camacho Rodrigues em que referia os contactos com Marang. Mas, aparentemente, a carta extraviou-se. No caderno de encargos de impressão das notas, estipulava-se que estas viriam a ter posteriormente a sobrecarga Angola dado que, como se disse acima, alegadamente se destinariam a circular aí. Por essa razão, as notas tinham números de série de notas já em circulação em Portugal. Waterlow & Sons Limited imprimiu assim 200 mil notas de valor nominal 500 escudos (no total quase 1% do PIB português de então), efígie Vasco da Gama chapa 2, com a data de 17 de Novembro de 1922. O número total de notas falsas de 500 escudos era quase tão elevado como o de notas legítimas. A primeira entrega teve lugar em Fevereiro de 1925, curiosamente cerca de um ano depois das notas verdadeiras de 500 escudos, efígie Vasco da Gama terem começado a circular. As notas passavam de Inglaterra a Portugal, com a ajuda dos seus cúmplices, José Bandeira, que utilizava as vantagens diplomáticas de seu irmão, Karel Marang e ligações ao cônsul da Libéria em Londres. Alves dos Reis, embora o mentor da fraude e o falsificador de todos os documentos, ficava só com 25% das notas. Ainda assim, com esse dinheiro fundou o Banco de Angola e Metrópole em Junho de 1925. Para obter o alvará de abertura deste banco, recorreu também a diversas outras falsificações. Investiu na bolsa de valores e no mercado de câmbios. Comprou também o Palácio do Menino de Ouro (actualmente o edifício em Lisboa do British Council) ao milionário Luís Fernandes. Adquiriu três quintas e uma frota de táxis. Além disso, gastou uma avultadíssima soma em jóias e roupas caras para a sua mulher quando das estadias em Paris no Hotel Claridge, e para a amante de José Bandeira, Fie Carelsen, uma actriz holandesa. Compraram uns fantástico Hispano-Suiza. Tentou também comprar o Diário de Notícias. O objectivo de Alves dos Reis era afinal comprar acções, e conseguir controlar o próprio Banco de Portugal, de forma a cobrir as falsificações e abafar qualquer investigação. Durante o Verão de 1925, directamente ou através de diversos “testa-de-ferro”, comprou sete mil acções do Banco de Portugal. No final de Setembro já tinha nove mil acções, e no final de Novembro dez mil. Seriam necessárias 45 mil acções para controlar o banco central. Ao longo de 1925 começaram a surgir rumores de notas falsas, mas os especialistas de contrafacção dos bancos não detectaram nenhuma nota que parecesse falsa. A partir de 23 de Novembro de 1925, Alves dos Reis e os negócios pouco transparentes do Banco de Angola e Metrópole começam a atrair a curiosidade dos jornalistas de O Século, o mais importante diário português de então. O que os jornalistas tentavam perceber era como era possível que o Banco de Angola e Metrópole concedesse empréstimos a taxas de juro baixas, sem precisar de receber depósitos. Inicialmente pensou-se que se tratava de uma táctica alemã para perturbar o país e obter vantagens junto da colónia angolana. A burla é publicamente revelada em 5 de Dezembro de 1925 nas páginas de O Século. No dia anterior, o Banco de Portugal enviara para o Porto o inspector do Conselho do Comércio Bancário João Teixeira Direito para investigar os vultosos depósitos pelo Banco de Angola e Metrópole em notas de 500$00 novas na firma cambista Pinto da Cunha. Só a altas horas conseguem detectar uma nota duplicada, com o mesmo número de série, nos cofres da delegação do Porto do Banco Angola e Metrópole. Depois, como são dadas instruções para que as agências bancárias ponham as notas em cofre por ordem de número, para controlar duplicações, muitas mais notas com números repetidos apareceram. O património do Banco de Angola e Metrópole foi confiscado e obtidas provas junto da Waterlow & Sons Limited. Alves dos Reis é preso a 6 de Dezembro, quando se encontrava a bordo do “Adolph Woerman” ao regressar de Angola. Tinha 28 anos no momento da prisão. Adolph Hennies, que estava consigo, fugiu. A maior parte dos seus associados foram também presos. Alves dos Reis esteve preso, aguardando julgamento, desde 6 de Dezembro de 1925 até 8 de Maio de 1930. Durante esse tempo conseguiu convencer um juiz de instrução que a própria administração do Banco de Portugal estava implicada na fraude, tendo falsificado documentos na prisão e tentado suicidar-se. Foi finalmente julgado em Lisboa no Tribunal de St.ª Clara em Maio de 1930, e condenado a 20 anos: 8 de prisão e 12 de degredo ou, em alternativa, 25 anos de degredo. Durante o julgamento, alegou que o seu objectivo era simplesmente desenvolver Angola. Na prisão, converteu-se ao protestantismo. Foi libertado em Maio de 1945. Foi-lhe oferecido um emprego de empregado bancário; recusou. Ainda veio a ser condenado por uma burla de venda de café de Angola, mas já não cumpre a pena. Morreu de ataque cardíaco em 9 de Junho de 1955, pobre. José Bandeira teve idêntica condenação. Morreu em 9 de Junho 1957, sem fortuna. Hennies fugiu para Alemanha. Reapareceu mais tarde, sob o seu verdadeiro nome, Hans Döring. Morreu em 1957, sem fortuna. Karel Marang foi preso e julgado na sua Holanda natal, mas sentenciado a 11 meses de cadeia. Posteriormente, naturalizou-se francês e terminou os seus dias, muito rico, em Cannes. O escudo, a moeda portuguesa, teve perturbações cambiais e perdeu muito da sua credibilidade. As notas de 500 escudos começaram a ser retiradas de circulação a 7 de Dezembro de 1925. A 6 de Dezembro, o Banco de Portugal ordenou a retirada de circulação de todas as notas de 500 escudos. Inicialmente a troca das notas foi autorizada até 26 de Dezembro. Durante estes 20 dias, saíram de circulação 115 mil notas legítimas ou não. No entanto, em Abril de 1932, o Banco de Portugal determinou que fossem abonadas aos portadores de reconhecida boa fé as notas de 500 escudos (…), quer sejam autênticas, quer façam parte das que foram entregues por Waterlow & Sons a Marang e seus cúmplices. Isso implicou um enorme prejuízo para o Banco Central. Na verdade, um pequeno grupo de notas – a que se veio a chamar notas camarão – foram recusadas para troca pelo Banco de Portugal. O nome provinha de terem sido banhadas numa solução de ácido cítrico, com o objectivo de as livrar do cheiro de tinta fresca. O resultado foi uma ligeira descoloração, resultando numa cor semelhante ao daquele marisco. De acordo com a lei portuguesa, as notas retiradas de circulação em 1925 puderam ser trocadas no Banco de Portugal até 1995. Naturalmente que esta prescrição não era relevante dado que o valor de colecção das notas (legítimas e falsas) a partir dos anos 50 passou a ser muito superior ao seu valor facial. A fraude criou uma enorme crise de confiança na população em relação aos poderes públicos. Embora os desenvolvimentos desse período sejam complexos, essa crise pode ter facilitado a revolução de 28 de Maio de 1926, que derrubou o presidente da República Bernardino Machado e deu origem à ditadura e, a partir de 1932, ao Estado Novo de Salazar. O Banco de Portugal processou a Waterlow & Sons nos tribunais londrinos: um dos mais complexos casos da história judiciária britânica até então. Sir William Waterlow foi demitido de presidente da casa impressora em Julho de 1927. Em 1929, foi eleito presidente da câmara (mayor) de Londres. O caso foi resolvido em 28 de Abril de 1932. A mesma pagou uma indemnização ao Banco de Portugal e faliu. Em 27 de Outubro de 2005 decorreu um leilão com umas das notas falsas de Alves dos Reis com base de licitação estimada no valor de 6 500 euros.