• Tag Archives Estado Novo
  • Nos Mares do Fim do Mundo (Doze Meses com os Pescadores Bacalhoeiros Portugueses por Bancos da Terra Nova e da Gronelândia)

    Nos Mares do Fim do Mundo
    Nos Mares do Fim do Mundo  «€50.00»

    Bernardo Santareno – Nos Mares do Fim do Mundo (Doze Meses com os Pescadores Bacalhoeiros Portugueses por Bancos da Terra Nova e da Gronelândia) – Edições Ática – Lisboa – 1957. Desc. 243 pág / 21 cm x 15 cm / E. Ilust. «1.ª Edição»

    Obs: Nos Mares do Fim do Mundo foi, em grande parte, escrito a bordo do arrastão «David Melgueiro», na primeira cam­panha de 1957, a primeira também em que eu servi na frota bacalhoeira portuguesa, como médico. Mas depois desta, tomei parte numa segunda, em 1958, agora a bordo do «Senhora do Mar» e do navio-hospital «Gil Eannes», em que assisti sobretudo aos barcos de pesca à linha: Assim pude de facto conhecer, por vezes intimamente, todos os aspectos da vida dos pescadores bacalhoeiros portugueses, em mares da Terra Nova e da Gronelândia.


  • Central de Salazar

    Central de Salazar
    Central de Salazar «€17.00»

    Eduardo Nunes – Central de Salazar «Comissão Administrativa dos Aproveitamentos Hidráulicos da Madeira – Edição da Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal – Funchal – 1953. Desc. 67 pág / 23,5 cm x 16 cm / Br. Ilust.


  • Missão em Portugal

    Missão em Portugal
    Missão em Portugal «€25.00»

    Álvaro Lins – Missão em Portugal – Centro do Livro Brasileiro – Lisboa – 1974. Desc. 534 pág / 21 cm x 14,5 cm / Br.

     

     

    Álvaro de Barros Lins (Caruaru, 14 de Dezembro  de 1912 — Rio de Janeiro, 4 de Junho de 1970) foi um advogado, jornalista,professor e crítico literário brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras. Foi casado com Heloísa Ramos Lins, com quem teve dois filhos. Filho de Pedro Alexandrino Lins e de Francisca de Barros Lins, Álvaro Lins fez o curso primário em sua cidade natal, mudando-se para cursar o secundário no Colégio Salesiano e no Ginásio Padre Félix, ambos no Recife. Ali ingressou na Faculdade de Direito da Universidade de Recife em 1931, bacharelando-se em 1935. Aos 20 anos, como representante do Directório de Estudantes, produziu seu primeiro trabalho cultural, chamado A universidade como escola de homens públicos. No período de 1932 a 1940, foi também professor de Geografia Geral e de História da Civilização em várias escolas da cidade. Em Outubro de 1934, convidado pelo então interventor e, mais tarde, governador de Pernambuco, Carlos de Lima Cavalcanti, assumiu o cargo de Secretário do Governo Estadual. Fez parte, em 1936, da chapa do Partido Social Democrático (PSD) de Pernambuco, para concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados. Contudo, o golpe que instaurou o Estado Novo interrompeu as eleições e Álvaro Lins deixou a Secretaria do Estado em Novembro de 1937 e esqueceu seus planos políticos. Firmou-se, a partir daí, no jornalismo, exercendo-o no Diário da Manhã de Pernambuco, no período de 1937 a 1940, onde foi redactor e director. Transferindo-se para o Rio de Janeiro, iniciou a fazer crítica literária, género que lhe deu fama nacional. Ali, foi jornalista do Diário de Notícias, Diários Associados, entre 1939 e 1940, e redactor-chefe do Correio da Manhã, de 1940 a 1956. Em 1952, partiu para Portugal para leccionar a disciplina Estudos Brasileiros na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade de Lisboa. Regressando ao Brasil em Agosto de 1954, por causa da crise desencadeada pelo suicídio de Getúlio Vargas, reassumiu o jornalismo e a cátedra de Literatura Brasileira no Colégio Pedro II.Em 5 de Abril de 1955, aos 42 anos, foi eleito por unanimidade para se tornar o quarto ocupante da cadeira 17 da Academia Brasileira de Letras, vaga após a morte de Edgar Roquette-Pinto, sendo recebido pelo académico João Neves da Fontoura em 7 de Julho de 1956. Como jornalista, participou activamente da luta para garantir a posse de Juscelino Kubitschek na presidência da República, em 1956. Nesta época, trabalhando ainda no Correio da Manhã, deixou de lado a crítica literária para assumir a direcção política do jornal. Convidado por Juscelino, chefiou a Casa Civil do presidente entre Janeiro e Novembro de 1956, saindo do cargo para se tornar embaixador do Brasil em Portugal. Ainda nesse ano, recebeu a maior condecoração brasileira: a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito. Em 1957, recebeu a maior condecoração portuguesa, a Grã-Cruz da Ordem de Cristo, e conduzido a se tornar membro da Academia das Ciências de Lisboa. Algum tempo após a chegada de Álvaro Lins a Lisboa, o presidente de Portugal Francisco Higino Craveiro Lopes realizou uma visita ao Brasil, estabelecendo os termos dos actos de regulamentação do Tratado de Amizade e Consulta entre Brasil e Portugal. Considerando o acordo “lesivo aos interesses do Brasil”, sua posição entrou em choque contra a ditadura Salazarista e a defesa do colonialismo por ela. O impasse se tornou insustentável no início de 1959, na ocasião da aceitação do asilo político por parte do Itamaraty do líder oposicionista português, general Humberto Delgado, ato que não foi reconhecido pelo governo de Portugal, um “flagrante desacato”, nas palavras de Álvaro Lins, ao próprio Juscelino Kubitschek. Com a sensação de ter sido abandonado pelo seu presidente, sem poder contar com ele “para desagravá-lo e desafrontar a representação do Brasil em Lisboa”, o embaixador Álvaro Lins protestou ainda mais veementemente quando Juscelino aceitou o convite de uma comissão portuguesa que desembarcou no Brasil para participar dos festejos henriquinos na condição de co-anfitrião e co-chefe de Estado português, e solicitou que Portugal concedesse asilo ao refugiado ditador Fulgêncio Batista, deposto na revolução cubana de 1959. Algum tempo depois, enviou uma carta rompendo política e pessoalmente com o presidente Juscelino Kunbtschek, acusando-o de “cumplicidade com as ditaduras, de maneira particular com a de Portugal, a do Paraguai e a da República Dominicana” e repudiando seu “compromisso com a ditadura salazarista”. Em Outubro de 1959, Álvaro Lins foi desonerado da embaixada de Portugal, devolvendo antes de deixar o posto em Lisboa a comenda da Grã-Cruz da Ordem de Cristo que havia recebido três anos antes.Álvaro Lins foi o presidente da 1ª Conferência Inter-americana da Anistia para os Exilados e Presos Políticos da Espanha e de Portugal, sediada na Faculdade de Direito de São Paulo, em 1960, e director do Suplemento Literário do Diário de Notícias entre Março de 1961 e junho de 1964. Em 1962, chefiou a delegação brasileira ao Congresso Mundial da Paz, ocorrido em Moscou. Aposentando-se do jornal em 1964, Álvaro Lins dedicou seus últimos anos a escrever livros.


  • O General Humberto Delgado Dirige-se ao Sr. Presidente da Republica «Folheto»

    General Humberto Delgado - O General Humberto Delgado Dirige-se ao Sr. Presidente da Republica - _ Editado pela Comissão Distrital de Faro dos Serviços de Candidatura do General Humberto Delgado- Faro – 1958. Desc. 7 pág. / «€20.00»
    O General Humberto Delgado Dirige-se ao Sr. Presidente da Republica «€20.00»

    General Humberto Delgado – O General Humberto Delgado Dirige-se ao Sr. Presidente da Republica – Editado pela Comissão Distrital de Faro dos Serviços de Candidatura do General Humberto Delgado- Faro – 1958. Desc. 7 pág. / 22 cm x 15 cm / Br.

    Humberto da Silva Delgado (Torres Novas, Brogueira, 15 de Maio de 1906 — Villanueva del Fresno, 13 de Fevereiro de 1965 ) foi um militar português da Força Aérea que corporizou o principal movimento de tentativa de derrube da ditadura Salazarista através de eleições, tendo contudo sido derrotado nas urnas, num processo eleitoral fraudulento que deu a vitória ao candidato do regime ditatorial vigente, Américo Tomás. Humberto da Silva Delgado nasceu a de 15 de Maio de 1906 em São Simão da Brogueira, concelho de Torres Novas, distrito de Santarém. Frequentou o Colégio Militar, onde recebeu o número 156, cujo curso concluiu em 1922. Em 1925 entrou na Escola Prática de Artilharia, de Vendas Novas. Participou no movimento militar de 28 de Maio de 1926, que derrubou a República Parlamentar e implantou a Ditadura Militar que, poucos anos mais tarde, em 1933, iria dar lugar ao Estado Novo liderado por Salazar. Durante muitos anos apoiou as posições oficiais do regime Salazarista, particularmente o seu anti-comunismo. Representou Portugal nos acordos secretos com o Governo Inglês sobre a instalação das Bases Aliadas nos Açores durante a Segunda Guerra Mundial. Em 1944 foi nomeado Director do Secretariado da Aeronáutica Civil. Entre 1947 e 1950 representou Portugal na Organização da Aviação Civil Internacional, sediada em Montreal, Canadá. Foi Procurador à Câmara Corporativa (V Legislatura)2 entre 1951 e 1952. Em 1952 foi nomeado adido militar na Embaixada de Portugal em Washington e membro do comité dos Representantes Militares da NATO. Promovido a general na sequência da realização do curso de altos comandos, onde obteve a classificação máxima, passa a Chefe da Missão Militar junto da NATO. Regressado a Portugal foi nomeado Director-Geral da Aeronáutica Civil.Os cinco anos que viveu nos Estados Unidos modificam a sua forma de encarar a política portuguesa. Convidado por opositores ao regime de Salazar para se candidatar à Presidência da República, em 1958, contra o candidato do regime, Américo Tomás, aceita, reunindo em torno de si toda a oposição ao Estado Novo. Numa conferência de imprensa da campanha eleitoral, realizada em 10 de Maio de 1958 no café Chave de Ouro, em Lisboa, quando lhe foi perguntado por um jornalista que postura tomaria em relação ao Presidente do Conselho Oliveira Salazar, respondeu com a frase “Obviamente, demito-o!”. Esta frase incendiou os espíritos das pessoas oprimidas pelo regime Salazarista que o apoiaram e o aclamaram durante a campanha com particular destaque para a entusiástica recepção popular na Praça Carlos Alberto no Porto a 14 de Maio de 1958. Devido à coragem que manifestou ao longo da campanha perante a repressão policial foi cognominado «General sem Medo». O resultado eleitoral não lhe foi favorável graças à gigantesca fraude eleitoral montada pelo regime. Em 1959, na sequência da derrota eleitoral, vítima de represálias por parte do regime Salazarista e alvo de ameaças por parte da polícia política, pede asilo político na Embaixada do Brasil, seguindo depois para o exílio neste país. Convencido de que o regime não poderia ser derrubado por meios pacíficos promove a realização de um golpe de estado militar, que vem a ser concretizado em 1962 e que visava tomar o quartel de Beja e outras posições estratégicas importantes de Portugal. O golpe, porém, fracassou. Pensando vir reunir-se com opositores ao regime do Estado Novo, Humberto Delgado dirigiu-se à fronteira espanhola em Villanueva del Fresno, em 13 de Fevereiro de 1965. Ao seu encontro vai um grupo de agentes da PIDE, liderados por Rosa Casaco. O agente Casemiro Monteiro assassina-o, bem como à sua secretária. A Assembleia da República Portuguesa decidiu, a 19 de Julho de 1988, que fosse feita a transladação dos restos mortais de Humberto Delgado, do Cemitério dos Prazeres para o Panteão Nacional da Igreja de Santa Engrácia, em Lisboa. A cerimónia aconteceu a 5 de Outubro de 1990, dia que se assinalava os oitenta anos da Implantação da República Portuguesa. Nesta mesma altura, o General foi elevado, a título póstumo, a Marechal da Força Aérea

     


  • Um Alto Príncipe da Igreja «Dom Manuel Cerejeira Patriarca de Lisboa»

    Um Alto Príncipe da Igreja
    Um Alto Príncipe da Igreja «€30.00»

    António Cabral – Um Alto Príncipe da Igreja «Dom Manuel Cerejeira Patriarca de Lisboa» – Livraria Popular de Francisco Franco – Lisboa – 1941. Desc. 220 pág / 20 cm x 13 cm / Br


  • Salazar Antologia Discursos, Notas, Relatórios, Teses, Artigos e Entrevistas – 1909/1953-19091953

    Salazar Antologia Discursos, Notas, Relatórios, Teses, Artigos e Entrevistas - 1909/1953
    Salazar Antologia Discursos, Notas, Relatórios, Teses, Artigos e Entrevistas – 1909/1953 «€100.00»

    Portugal. Presidente do Conselho, – 1932-1968 (Oliveira Salazar) – Salazar Antologia Discursos, Notas, Relatórios, Teses, Artigos e Entrevistas – 1909/1953 – Editorial Vanguarda – 1954. Desc. 360 pág  29 cm x 22 cm / Br. Ilust.


  • O Tejo

    O Tejo
    O Tejo «€40.00»

    Araújo Correia – O Tejo – Verbo – Lisboa – 1967. Desc. 131 pág + 4 Planos do Estuário do Tejo / 26 cm x 19 cm / E. Ilust.

     

    J. D. Araújo Correia é um economista português do século XX continuador de uma tradição de desenvolvimento que em diversas épocas da história do capitalismo português tem revelado consciência do seu atraso. Embora titular de cargo de relativa importância no aparelho político do Estado Novo, estruturou nessa época uma concepção económica parcialmente contraditória com os pontos de vista dominantes. Através do persistente combate ao mito do Portugal pais pobre e essencialmente agrícola e da demonstração da existência de recursos naturais importantes, procurou definir uma estratégia de crescimento económico mais rápido que teria na planificação um instrumento privilegiado e no aproveitamento integrado das bacias hidrográficas do Tejo e Douro a recomendação mais imediata. O sentido da sua obra é a de um criador de ideologia de desenvolvimento para o capitalismo monopolista de Estado, no que não foi no entanto seguido pelas classes dominantes.


  • Exposição do Museu Histórico Nacional 1940-1940

    Exposição do Museu Histórico Nacional 1940
    Exposição do Museu Histórico Nacional 1940 «€30.00»

    Gustavo Barroso «Organizador» – Exposição do Museu Histórico Nacional 1940 – Comissão Brasileira dos Centenários de Portugal / Pavilhão do Mundo Português e Pavilhão do Brasil Independente – Lisboa – 1940. Desc. 134 pág / 24 cm x 17 cm / Br. Ilust.


  • V Centenário da Morte do Infante D. Henrique 1460 – 1960-1960

    V Centenário da Morte do Infante D. Henrique 1460 - 1960
    V Centenário da Morte do Infante D. Henrique 1460 – 1960 «€60.00»

    Artur Marques (Coordenação) Fernandes Gomes (Administração) Fernando Correia (Ilustração) – V Centenário da Morte do Infante D. Henrique 1460 – 1960 – Edição e Realização – Gráfica da Sé, Lda – Lisboa – 1960. Desc. 200 + 14 Ilust / 33 cm x 24 cm / Br. Ilust


  • Visita do Presidente João Café Filho a Portugal

    Visita do Presidente João Café Filho a Portugal
    Visita do Presidente João Café Filho a Portugal «€25.00»

    Visita do Presidente João Café Filho a Portugal – Departamento de Imprensa Nacional – Rio de Janeiro – 1955. Desc. 144 pág / 25 cm x 18 cm / Br. Ilust.

    João Fernandes Campos Café Filho  (Extremoz, 3 de Fevereiro de 1899 — Rio de Janeiro, 20 de Fevereiro de 1970) foi um advogado e político brasileiro, sendo presidente do Brasil entre 24 de Agosto de 1954 e 8 de Novembro de 1955, quando foi deposto. Foi o único potiguar e o primeiro protestante a ocupar a presidência da república do Brasil. Nascido no Rio Grande do Norte (Segundo alguns historiadores, Café Filho nasceu em Extremoz, município vizinho a Natal) , trabalhou como jornalista e advogado durante a juventude, tendo participado da Aliança Liberal na campanha de 1930. Em 1933 fundou o Partido Social Nacionalista (PSN) do Rio Grande do Norte, e alguns anos mais tarde, o Partido Social Progressista de Ademar Pereira de Barros. Sua candidatura à vice-presidência da república fazia parte do acordo feito por Adhemar para apoiar Getúlio Vargas à presidência da república nas eleições de 1950. Em 1934 e 1945 foi eleito deputado federal, e em 1950 foi indicado para vice-presidência na chapa de Getúlio Vargas. A 20 de Setembro de 1951 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.1 Com o suicídio de Vargas, em 1954, assumiu a Presidência, exercendo o cargo até Novembro de 1955. A 26 de Abril desse ano foi agraciado com a Grã-Cruz da Banda das Três Ordens. Em Novembro de 1955, foi afastado da presidência por motivos de saúde, assumindo em seu lugar o presidente da Câmara, Carlos Luz, este deposto por tentar impedir a posse do presidente eleito Juscelino Kubitschek. Após a presidência, Café Filho foi ministro do Tribunal de Contas da Guanabara durante toda a década de 1960. Café Filho foi goleiro do Alecrim Futebol Clube em Natal, clube que até hoje é o único que teve em seu plantel um atleta que chegou ao posto de Presidente do Brasil. Educado na Primeira Igreja Presbiteriana de Natal, foi também o primeiro presidente protestante do Brasil. Seu governo foi marcante pelas medidas econômicas liberais comandadas pelo economista Eugênio Gudin.


  • O Pensamento de Salazar


  • Ballet Rose – Uma Novela (a) Moral

    Ballet Rose
    Ballet Rose «€10.00»

    F. Moita Flores e Felícia Cabrita – Ballet Rose – Uma Novela (a) Moral – Notícias Editorial – Lisboa – 1998. Desc. 229 pág / 23 cm x 15 cm / Br.

     

     Ballet Rose – Vidas Proibidas . Esta baseava-se no escândalo que rebentou em 1967 em Portugal, em que diversos homens ligados às mais altas cúpulas do Estado Novo participavam em orgias com crianças entre os 8 e os 12 anos e em práticas de sadomasoquismo, as quais levaram à morte de, pelo menos, uma mulher.


  • Tarrafal

    Tarrafal
    Tarrafal «€30.00»

    Tarrafal  – Testemunhos – Coordenado por Franco Sousa – Edições Avante – Lisboa – 1978. Desc. 341 pág / 18 cm x 18 cm / Br. Ilust.

     

    O Tarrafal é um Concelho / Município na ilha de Santiago, em Cabo Verde. Tem cerca de 20.000 habitantes e ocupa uma superfície de 112,4 km². A sede do concelho é a vila do Tarrafal. A própria vila do Tarrafal tem das poucas praias de areia branca da ilha, e certamente das mais paradisíacas do arquipélago, numa baía rodeada de coqueiros.Mas engana-se quem pensa que esta é a única de todo o concelho, pois bastam alguns minutos e estamos noutras praias, estas já menos concorridas pelos turistas mas igualmente lindas, nas aldeias de Chão Bome Ribeira da Prata. Esta zona, da maior ilha de Cabo Verde, é famosa pela chamada Colónia Penal do Tarrafal ou Campo de Concentração do Tarrafal, construída entre as décadas 20 e 30 do século passado, para albergar os opositores ao regime português. É também famosa por ser o concelho de Cabo Verde onde vive a comunidade dos rebeladosQuem chega a este concelho fica deliciado, não só pela sua beleza natural, como pela simpatia do seu povo, que vive principalmente do comércio, construção e serviços para a colectividade, e que conserva os valores tradicionais das suas gentes, destacando-se a olaria, a tecelagem, a utilização da cimboa e a música, uma vez que, ninguém lá passa sem dançar um funaná ou ver alguém a dar ku tornu, numa roda de batuque. O Dia do Município é 15 de Janeiro, data que coincide com a celebração de Santo Amaro. Desde 2008, o município do Tarrafal é governado pelo Movimento para a Democracia.