• Category Archives Urbanismo
  • Junta Autónoma de Estradas

    This gallery contains 1 photographs in all as   photograph etc.

  • Plano Rodoviário / Decreto – Lei N.º 34:593-34593

    Plano Rodoviário / Decreto - Lei N.º 34:593
    Plano Rodoviário / Decreto – Lei N.º 34:593 «€35.00»

    Augusto Cancela de Abreu – Plano Rodoviário / Decreto – Lei N.º 34:593 / Classificação das Estradas nacionais e Municipais e dos Caminhos Públicos e Fixação das Respectivas características Técnicas / Decreto – lei N.º 34:593 – Ministério das Obras Públicas e Comunicações / Junta Autônoma de Estradas – Imprensa Nacional de Lisboa – Lisboa – 1945. Desc.[48] pág + [3] Mapas de Estradas de 1.ª, 2.ª & 3.ª Classe / Escala 1:800.00] / 25 cm x 18 cm / E. Cartonado

     

     

    Augusto Cancela de Abreu (Anadia, Arcos, 14 de Agosto de 1895 — Lisboa, 6 de Abril de 1965). Era Monarquicoc Licenciado em Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa e administrador de várias grandes empresas, foi um político ligado ao regime do Estado Novo que, entre outras funções de relevo, foi Ministro das Obras Públicas e Comunicações (1944 a 1947), Ministro do Interior (1947 a 1950) e presidente da Comissão Executiva da União Nacional (1957 a 1961). A 5 de Outubro de 1934 foi feito Comendador da Ordem Militar de Cristo, a 6 de Julho de 1935 foi feito Comendador da Ordem Civil do Mérito Agrícola e Industrial Classe Industrial e a 13 de Abril de 1949 foi elevado a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.


  • Estudo do Tráfego Rodoviário Para a Ligação Entre as Suas Margens do Tejo em Lisboa

    Estudo do Tráfego Rodoviário Para a Ligação Entre as Suas Margens do Tejo em Lisboa
    Estudo do Tráfego Rodoviário Para a Ligação Entre as Suas Margens do Tejo em Lisboa «€20.00»

    Eng.º J. Cabto Moniz – Estudo do Tráfego Rodoviário Para a Ligação Entre as Suas Margens do Tejo em Lisboa – Ministério das Obras Públicas / Junta Autónoma de Estradas – Lisboa – 1957. Desc.[51] pág + [8 Mpas] + [3 Gráficos] + [2 Estampas] / 24,5 cm x 18,5 cm / Br. Ilust


  • Junta Autónoma de Estradas (Relatório)

  • Colóquio de Turismo e Termalismo do Norte

    Colóquio de Turismo e Termalismo do Norte
    Colóquio de Turismo e Termalismo do Norte «€30.00»

    Colóquio de Turismo e Termalismo do Norte – Edição conjunta da Direcção-Geral do Turismo e da Câmara Municipal de Braga de  1970. Desc. LXXX-[311] págs / 23,5 cm x 16 cm / Br. Ilust


  • Revista – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP)

    (1) – Revista / Março de 1985 – n.º1 – O Traçar do Rumo – Fernando Cristovão / Homenagem ao Instituto de Alta Cultura – lídio do Amaral /  A Praça do Príncipe Real e os Vários Prédios que o Circundam – Eduardo Martins Bairrada / Para Uma Perspectiva da Cultura Portuguesa – Fernando de Mello Moser / Uma Personalidade, Um Tempo, Uma Obra – Fernando Namora Fala a Maria Alzira Seixo / Inter-Bruxo: Um Analisador Ortográfico Interativo para o Português – Pedro Guerreiro / Homem de saber e de Fé: Padre Manuel Antunes: – A. L. de Sousa Franco / O Tratamento Lexicográfico de Texto africano em Língua Portuguesa. O «Africanismo» – Carlos Alberto Antunes Maciel / a Universidade de Coimbra Acolheu Tancredo Neves / Academia das Ciências de Lisboa / In Memoriam… /  Evocações Pessoanas / Prémios e Condecorações – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 118 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (2) – Revista / Agosto – Dezembro de 1985 – n.º2 & 3 – Linguagem e Ciência – Harald Weinrich / Gramática Pastrane Um Apontamento Bibliognóstico – Justino Mendes de Almeida / Uma Personalidade, Um Tempo, uma Obra – Luis Archer Fala a Maria de Lurdes Belchior / Questões Sobre a Cultura Portuguesa – Respostas e Prof. Dr. José Sebastião da Silva Dias / Língua e Cultura Portuguesa no Mundo – Fernando Cristóvão / Das Geometrias Labirínticas – Lima de Freitas / Linguagem e Celebração Religiosa – Albino Mamede Cleto / Letra da Lei em Tradução – José Pestana / Sociedade da Língua Portuguesa / Homenagens / Língua e Literatura na  Universidade dos Açores  – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 176 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (3) – Revista / Julho de 1986 – n.º 5 – Unidade da Língua Portuguesa / Maria Helena Mira Mateus  – Bases Analíticas da Ortografia Simplificada da Língua Portuguesa de 1945, renegociadas em 1975 e consolidadas em 1986  / Unificação ortográfica da Língua Portuguesa – João Malaca Casteleiro / A hora e a vez da Língua Portuguesa – Fernando Cristóvão / Um juízo sobre o novo Acordo Ortográfico – Ivo de Castro /  As origens do novo acordo – Luís F. Lindley Cintra  / O Acordo Ortográfico na praça pública  A Língua dos «Infantes» –  Eduardo Prado Coelho  /  Humortográfico /  Ortografia e Ortografia Portuguesa – José Gonçalo Herculano de Carvalho / Notícia sobre a elaboração da Terminologia Científica e Técnica da Língua Portuguesa / Maria Elisa Macedo Oliveira  – Uma Personalidade, Um Tempo Uma Obra – José de Matos / Cruz fala de Cinema Português  / Fernando Pessoa e os meandros da Solidão – António Mateus Vilhena / O Universo Telúrico de Aquilino Ribeiro (II) –  Antonio Valdemar / UMA INSTITUiÇÃO, UMA HISTÓRIA Os Jardins-Escolas João de Deus – Um Centro Cultural, Um · Método, Uma Cartilha /  Do ensino do Latim na actualidade – Maria Helena da Rocha Pereira / Foi a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento descoberta do Brasil – Luís de Albuquerque / Prémios literários em Portugal – Dulce Matos  / O aniversário do Tratado de Windsor / Baquero Moreno – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1986. Desc. 168 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»


  • Lourenço Marques, Xilunguíne ( Biografia da Cidade)

    Lourenço Marques, Xilunguíne ( Biografia da Cidade)
    Lourenço Marques, Xilunguíne ( Biografia da Cidade) «€80.00»

    Alexandre Lobato – Lourenço Marques, Xilunguíne ( Biografia da Cidade) – Agencia – Geral do Ultramar – Lisboa – 1970. Desc. 307 pág + 2 Mapas / 23 cm x 20 cm / Br. Ilust


  • Relatório de Uma Viagem d Estudo Efectuada a Grã-Bretanha Países-Baixos, Bélgica e França

    IMG_1288
    Relatório de Uma Viagem d Estudo Efectuada a Grã-Bretanha Países-Baixos, Bélgica e França €40.00»

    Manuel Laginha – Relatório de Uma Viagem d Estudo Efectuada a Grã-Bretanha Países-Baixos, Bélgica e França – Ministério das Obras Publicas / Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização – Lisboa – 1957. Desc. 217 pág / 24,5 x 19 cm / Br. Ilust

    Nascido em Loulé, a 1919, Manuel Laginha começou por estudar Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa. Entre 1940 e 45 estudou na Escola de Belas Artes do Porto, com a Bolsa de Estudo Ventura Terra, tendo-se diplomado em 1947, com 18 valores. Entre 1948 e 52 foi funcionário da Câmara Municipal de Lisboa, na repartição de Arquitetura, e entre 1952 e 85, da Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização, onde ingressou por concurso público.  Foi membro da Direção do Sindicato Nacional dos Arquitetos (atualmente Associação dos Arquitetos Portugueses) no biénio 1952-54 e sócio da secção portuguesa da U.I.A. Em 1953, enquanto funcionário da D.G.S.U., empreendeu uma viagem de estudo à Grã-Bretanha, Países Baixos, Bélgica e França, da qual foi publicado um relatório quatro anos depois. Em 1957 frequentou o curso de urbanismo do University College of London, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, e estagiou no Departamento de Arquitetura do London County Council. Desenvolveu ampla atividade arquitetónica em Lisboa, deixando intervenções marcantes designadamente nos Olivais-Sul e num conjunto habitacional na frente Norte da Av. Estados Unidos da América (entre as avenidas do Rio de Janeiro e Almirante Gago Coutinho), nos anos de 1955-1956, de colaboração com os arquitetos Pedro Cid e João Vasconcelos – Prémio Municipal de Arquitetura em 1957, em Carcavelos, em Setúbal, no Seixal e em Milão (Instituto Luso-Fármaco). Foi o autor dos planos de Urbanização de Campo Maior, Vila Verde de Ficalho, Praia de Quarteira, Loulé, Lagoa de Santo André, Alvalade, Melides e Termas de Monfortinho. São também de sua autoria o Plano Sub-Regional do Sector XI do Algarve (Cacela/Vila Real de Santo António), em 1969, e do Plano da Região de Corimba – Ilha do Mussulo (Angola), em 1976. Participou em congressos e conferências em Portugal, Finlândia, Holanda, França e Luxemburgo. A partir de 1963 começou a prestar assistência urbanística na Junta Distrital de Setúbal. Constituiu, com Arnaldo Araújo e Frederico George, uma das três equipas finalistas do concurso para o projeto da sede e Museu da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa), em 1959. Em Loulé “criou escola” tendo os seus projetos sido imitados por engenheiros e projetistas. Ainda hoje são obras de referência a Casa da Primeira Infância (vulgo Casa da Primeira Infância ou Creche), o edifício nº 10 da Praça da República, o prédio nº 36 da Av. Marçal Pacheco, a casa Laginha Ramos, na Rua David Teixeira, nº 121, e a Alfaiataria York, para além de moradias e edifícios em Quarteira e Olhos de Água. Projetou ainda no Algarve o Centro de Assistência de Olhão, de colaboração com Rogério Buridant Martins e a Casa de Paderne, Albufeira (c. 1948). A sua atividade profissional – cujos primeiros anos coincidiram com a difusão alargada da arquitetura ligada ao Movimento Moderno em Portugal – pautou-se por uma adoção criteriosa dos princípios fundadores deste movimento, fruto de uma sólida formação constantemente informada pela situação internacional. Esses mesmos princípios foram utilizados como instrumentos fundamentais na reação à arquitetura oficial de cariz nacionalista ainda vigente. Faleceu em 1985. A Câmara Municipal de Loulé deu o seu nome, em 2008, a uma avenida da cidade. 


  • Estatuária de Lisboa

    IMG_1272
    Estatuária de Lisboa «€20.00»

    Rafael Laborde Ferreira e Victor Manuel Lopes Ferreira – Estatuária de Lisboa – Edição Amigos do Livro & Câmara de Lisboa – 1985. Desc. 447 pág / 19 cm x 13 cm / Br. Ilust.


  • Portugal Património

     

     

    This gallery contains 1 photographs in all as   photograph etc.