• Category Archives História da Arte
  • Calçada Portuguesa / Portuguese Stone Pavement of Portugal

    Calçada Portuguesa / Portuguese Stone Pavement of Portugal «50.00»

    Ernesto Matos – Calçada Portuguesa / Portuguese Stone Pavement of Portugal – Edição Sessenta e Nove Manuscritos – Lisboa – 2011. Desc.[423] pág / 24 cm x 24 cm / E. Ilus. Capa Original

     

     

    A calçada portuguesa ou mosaico português (ou ainda pedra portuguesa no Brasil) é o nome consagrado de um determinado tipo de revestimento de piso utilizado especialmente na pavimentação de passeios, de espaços públicos, e espaços privados, de uma forma geral. Este tipo de passeio é muito utilizado em países lusófonos. A calçada portuguesa resulta do calcetamento com pedras de formato irregular, geralmente em calcário branco e negro, que podem ser usadas para formar padrões decorativos ou mosaicos pelo contraste entre as pedras de distintas cores. As cores mais tradicionais são o preto e o branco, embora sejam populares também o castanho e o vermelho, azul cinza e amarelo. Em certas regiões brasileiras, porém, é possível encontrar pedras em azul e verde. Em Portugal, os trabalhadores especializados na colocação deste tipo de calçada são denominados mestres calceteiros. O facto de a rocha mais comum para estabelecer o contraste seja de cor negra, faz com que se confunda a rocha mais utilizada, o calcário negro, com basalto. De facto, existe calcário de várias cores. O basalto apenas é utilizado nas ilhas, onde é abundante, sendo aí os desenhos executados em calcário branco. Quando é basalto, distingue-se pelo maior mate e pela sua maior irregularidade no corte, pois este é muito mais rijo. Simplesmente não é possível executar com o martelo, os detalhes técnicos dos motivos https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/09/Coimbra_jpg.jpgelaborados presentes na calçada lisboeta. A calçada à portuguesa, tal como o nome indica, é originária de Portugal, tendo surgido tal como a conhecemos em meados do século XIX. Esta é amplamente utilizada no calcetamento das áreas pedonais, em parques, praças, pátios, etc. No Brasil, este foi um dos mais populares materiais utilizados pelo paisagismo do século XIX, devido à sua flexibilidade de montagem e de composição plástica. A sua aplicação pode ser apreciada em projetos como o do Largo de São Sebastião, construído em Manaus no ano de 1901, cujo motivo do tipo mar largo inspirou também o famoso calçadão da Praia de Copacabana (uma obra de do prefeito Paulo de Frontin, expandida por Roberto Burle Marx) ou nos espaços da antiga Avenida Central, ambos no Rio de Janeiro. Apesar dos pavimentos calcetados terem surgido no reino por volta de 1500, a calçada à portuguesa, tal como a entendemos hoje, foi iniciada em meados do séc. XIX. Apesar dos pavimentos calcetados terem surgido no reino por volta de 1500, a calçada à portuguesa, tal como a entendemos hoje, foi iniciada em meados do séc. XIX. A chamada “calçada à portuguesa“, em calcário branco e negro, caracteriza-se pela forma irregular de aplicação das pedras. Todavia, o tipo de aplicação mais utilizado hoje, desde meados do séc. XX, designado por “calçada portuguesa“, é aplicado com cubos, e tem um enquadramento diagonal. “Calçada à portuguesa”, e “calçada portuguesa” são coisas distintas. A calçada começou em Portugal de forma direrente da que hoje é, mais desordenada. São as cartas régias de 20 de Agosto de 1498 e de 8 de Maio de 1500, assinadas pelo rei D. Manuel I de Portugal, que marcam o início do calcetamento das ruas de Lisboa, mais notavelmente o da Rua Nova dos Mercadores (antes Rua Nova dos Ferros). Nessa época, foi determinado que o material a utilizar deveria ser o granito da região do Porto, que, pelo transporte implicado, tornou a obra muito dispendiosa.[3] O objetivo seria que a Ganga, um rinoceronte branco, ricamente ornamentada, não sujasse de lama com o calcar das suas pesadas patas, o numeroso e longo cortejo, com figurantes aparatosamente engalanados com as novas riquezas e adornos vindas do oriente, que saía à rua em pleno inverno, a quando do seu aniversário a 21 de Janeiro. A comitiva ficava manifestamente suja, daí a decisão de calcetar as ruas do percurso como forma de dar resposta ao problema. Sendo a única vez no ano em que o rei se mostrava à população vem daí a expressão: “Quando o rei faz anos…” O terramoto de 1755, a consequente destruição e reconstrução da cidade lisboeta, em moldes racionais mas de custos contidos, tornou a calçada algo improvável à época. Contudo, já no século seguinte, foi feita em Lisboa no ano de 1842, uma calçada calcária, muito mais próxima da que hoje mais conhecemos e continua a ser utilizada. O trabalho foi realizado por presidiários (chamados “grilhetas” na época), a mando do Governador de armas do Castelo de São Jorge, o tenente-general Eusébio Pinheiro Furtado. O desenho utilizado nesse pavimento foi de um traçado simples (tipo zig-zag) mas, para a época, a obra foi de certa forma insólita, tendo motivado cronistas portugueses a escrever sobre o assunto. Em O Arco de Sant’Ana, romance de Almeida Garrett, também essa calçada na encosta do mesmo castelo seria referida, tal como em Cristalizações, poema de Cesário Verde. Após este primeiro acontecimento, foram concedidas verbas a Eusébio Furtado para que os seus homens pavimentassem toda a área da Praça do Rossio, uma das zonas mais conhecidas e mais centrais de Lisboa, numa extensão de 8 712 . A calçada portuguesa rapidamente se espalhou por todo o país e pelas colónias, subjacente a um ideal de moda e de bom gosto, tendo-se apurado o sentido artístico, que foi aliado a um conceito de funcionalidade, originando autênticas obras-primas nas zonas pedonais. Daqui, bastou somente mais um passo, para que esta arte ultrapassasse fronteiras, sendo solicitados mestres calceteiros portugueses para executar e ensinar estes trabalhos no estrangeiro. Em 1986, foi criada uma escola para calceteiros (a Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa), situada na Quinta do Conde dos Arcos. Da autoria de Sérgio Stichini, em Dezembro de 2006, foi inaugurado também um Monumento ao Calceteiro, sito na Rua da Vitória (baixa Pombalina), entre as Rua da Prata e Rua dos Douradores. Actualmente, encontra-se na Praça dos Restauradores, onde foi colocado depois de ter sido vandalizado e recuperado. chamada “calçada à portuguesa“, em calcário branco e negro, caracteriza-se pela forma irregular de aplicação das pedras. Todavia, o tipo de aplicação mais utilizado hoje, desde meados do séc. XX, designado por “calçada portuguesa“, é aplicado com cubos, e tem um enquadramento diagonal. “Calçada à portuguesa”, e “calçada portuguesa” são coisas distintas. A calçada começou em Portugal de forma direrente da que hoje é, mais desordenada. São as cartas régias de 20 de Agosto de 1498 e de 8 de Maio de 1500, assinadas pelo rei D. Manuel I de Portugal, que marcam o início do calcetamento das ruas de Lisboa, mais notavelmente o da Rua Nova dos Mercadores (antes Rua Nova dos Ferros). Nessa época, foi determinado que o material a utilizar deveria ser o granito da região do Porto, que, pelo transporte implicado, tornou a obra muito dispendiosa. O objetivo seria que a Ganga, um rinoceronte branco, ricamente ornamentada, não sujasse de lama com o calcar das suas pesadas patas, o numeroso e longo cortejo, com figurantes aparatosamente engalanados com as novas riquezas e adornos vindas do oriente, que saía à rua em pleno inverno, aquando do seu aniversário a 21 de Janeiro. A comitiva ficava manifestamente suja, daí a decisão de calcetar as ruas do percurso como forma de dar resposta ao problema. Sendo a única vez no ano em que o rei se mostrava à população vem daí a expressão: “Quando o rei faz anos…” O terramoto de 1755, a consequente destruição e reconstrução da cidade lisboeta, em moldes racionais mas de custos contidos, tornou a calçada algo improvável à época. Contudo, já no século seguinte, foi feita em Lisboa no ano de 1842, uma calçada calcária, muito mais próxima da que hoje mais conhecemos e continua a ser utilizada. O trabalho foi realizado por presidiários (chamados “grilhetas” na época), a mando do Governador de armas do Castelo de São Jorge, o tenente-general Eusébio Pinheiro Furtado. O desenho utilizado nesse pavimento foi de um traçado simples (tipo zig-zag) mas, para a época, a obra foi de certa forma insólita, tendo motivado cronistas portugueses a escrever sobre o assunto. Em O Arco de Sant’Ana, romance de Almeida Garrett, também essa calçada na encosta do mesmo castelo seria referida, tal como em Cristalizações, poema de Cesário Verde. Após este primeiro acontecimento, foram concedidas verbas a Eusébio Furtado para que os seus homens pavimentassem toda a área da Praça do Rossio, uma das zonas mais conhecidas e mais centrais de Lisboa, numa extensão de 8 712 . A calçada portuguesa rapidamente se espalhou por todo o país e pelas colónias, subjacente a um ideal de moda e de bom gosto, tendo-se apurado o sentido artístico, que foi aliado a um conceito de funcionalidade, originando autênticas obras-primas nas zonas pedonais. Daqui, bastou somente mais um passo, para que esta arte ultrapassasse fronteiras, sendo solicitados mestres calceteiros portugueses para executar e ensinar estes trabalhos no estrangeiro. Em 1986, foi criada uma escola para calceteiros (a Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa), situada na Quinta do Conde dos Arcos. Da autoria de Sérgio Stichini, em Dezembro de 2006, foi inaugurado também um Monumento ao Calceteiro, sito na Rua da Vitória (baixa Pombalina), entre as Rua da Prata e Rua dos Douradores. Actualmente, encontra-se na Praça dos Restauradores, onde foi colocado depois de ter sido vandalizado e recuperado.

     

     

     

     


  • A Capela de S. João Baptista e as Suas Colecções

    A Capela de S. João Baptista e as Suas Colecções «€35.00»

    Maria João Madeira Rodrigues – A Capela de S. João Baptista e as Suas Colecções na Igreja de S. Roque, em Lisboa – Edições Inapa – Lisboa – 1988. Desc.[253] pág / 32 cm x 24 cm / E. Ilust

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     

     


  • Escultura Italiana em Portugal no Século XVII

    Escultura Italiana em Portugal no Século XVII «€35.00»

    Teresa Leonor Magalhães do Vale – Escultura Italiana em Portugal no Século XVII – Caleidoscópio – Casal de Cambra – 2003. Desc.[467] pág / 24 cm x 17 cm / Br. Ilust


  • A Arquitectura Religiosa do Algarve de 1520 a 1600-1600

    A Arquitectura Religiosa do Algarve de 1520 a 1600 «€25.00»

    José E. Horta Correia – A Arquitectura Religiosa do Algarve de 1520 a 1600 – Publicações Ciência Viva, Lda – Lisboa – 1987. Desc.[162] pág / 24 cm x 18 cm / Br. Ilust


  • Revista – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP)

    (1) – Revista / Março de 1985 – n.º1 – O Traçar do Rumo – Fernando Cristovão / Homenagem ao Instituto de Alta Cultura – lídio do Amaral /  A Praça do Príncipe Real e os Vários Prédios que o Circundam – Eduardo Martins Bairrada / Para Uma Perspectiva da Cultura Portuguesa – Fernando de Mello Moser / Uma Personalidade, Um Tempo, Uma Obra – Fernando Namora Fala a Maria Alzira Seixo / Inter-Bruxo: Um Analisador Ortográfico Interativo para o Português – Pedro Guerreiro / Homem de saber e de Fé: Padre Manuel Antunes: – A. L. de Sousa Franco / O Tratamento Lexicográfico de Texto africano em Língua Portuguesa. O «Africanismo» – Carlos Alberto Antunes Maciel / a Universidade de Coimbra Acolheu Tancredo Neves / Academia das Ciências de Lisboa / In Memoriam… /  Evocações Pessoanas / Prémios e Condecorações – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 118 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (2) – Revista / Agosto – Dezembro de 1985 – n.º2 & 3 – Linguagem e Ciência – Harald Weinrich / Gramática Pastrane Um Apontamento Bibliognóstico – Justino Mendes de Almeida / Uma Personalidade, Um Tempo, uma Obra – Luis Archer Fala a Maria de Lurdes Belchior / Questões Sobre a Cultura Portuguesa – Respostas e Prof. Dr. José Sebastião da Silva Dias / Língua e Cultura Portuguesa no Mundo – Fernando Cristóvão / Das Geometrias Labirínticas – Lima de Freitas / Linguagem e Celebração Religiosa – Albino Mamede Cleto / Letra da Lei em Tradução – José Pestana / Sociedade da Língua Portuguesa / Homenagens / Língua e Literatura na  Universidade dos Açores  – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 176 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (3) – Revista / Julho de 1986 – n.º 5 – Unidade da Língua Portuguesa / Maria Helena Mira Mateus  – Bases Analíticas da Ortografia Simplificada da Língua Portuguesa de 1945, renegociadas em 1975 e consolidadas em 1986  / Unificação ortográfica da Língua Portuguesa – João Malaca Casteleiro / A hora e a vez da Língua Portuguesa – Fernando Cristóvão / Um juízo sobre o novo Acordo Ortográfico – Ivo de Castro /  As origens do novo acordo – Luís F. Lindley Cintra  / O Acordo Ortográfico na praça pública  A Língua dos «Infantes» –  Eduardo Prado Coelho  /  Humortográfico /  Ortografia e Ortografia Portuguesa – José Gonçalo Herculano de Carvalho / Notícia sobre a elaboração da Terminologia Científica e Técnica da Língua Portuguesa / Maria Elisa Macedo Oliveira  – Uma Personalidade, Um Tempo Uma Obra – José de Matos / Cruz fala de Cinema Português  / Fernando Pessoa e os meandros da Solidão – António Mateus Vilhena / O Universo Telúrico de Aquilino Ribeiro (II) –  Antonio Valdemar / UMA INSTITUiÇÃO, UMA HISTÓRIA Os Jardins-Escolas João de Deus – Um Centro Cultural, Um · Método, Uma Cartilha /  Do ensino do Latim na actualidade – Maria Helena da Rocha Pereira / Foi a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento descoberta do Brasil – Luís de Albuquerque / Prémios literários em Portugal – Dulce Matos  / O aniversário do Tratado de Windsor / Baquero Moreno – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1986. Desc. 168 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»


  • Colecção Completa de Ramalho Ortigão / [As Farpas] + [Correio de Hoje] + [ Cronicas Portuenses] + [Folhas Soltas] + [Costumes e Perfis] + [John Bull] + [Banhos e Caldas e Águas Minerais] + [Notas de Viagem] + [Em Paris] + [A Holanda] + [Arte Portuguesa] + [Pela Terra Alheia] +[Farpas Esquecidas] + [Primeiras Prosas] + [Figuras e Questões Literárias] + [O Mistério da Estrada de Sintra] + [As Praias de Portugal] + [Contos e Paginas Dispersas] + [Ultimas Farpas]

    Colecção Completa de Ramalho Ortigão
    Colecção Completa de Ramalho Ortigão «€500.00»

    Ramalho Ortigão – [As Farpas] + [Correio de Hoje] + [ Cronicas Portuenses] + [Folhas Soltas] + [Costumes e Perfis] + [John Bull] + [Banhos e Caldas e Águas Minerais] + [Notas de Viagem] + [Em Paris] + [A Holanda] + [Arte Portuguesa] + [Pela Terra Alheia] +[Farpas Esquecidas] + [Primeiras Prosas] + [Figuras e Questões Literárias] + [O Mistério da Estrada de Sintra] + [As Praias de Portugal] + [Contos e Paginas Dispersas] + [Ultimas Farpas] – Livraria Clássica Editora – Lisboa 1943/1966. Desc.[XXXVIII + 270] + [279] + [288] + [318] + [318] + [300] + [326] + [323] + [301] + [302] + [322] + [259] +[241] + [247] + [259] + [199 + 204] + [298 + 236 + 262] + [282 + 310] + [200 + 202] + [260] + [309] + [342] + [303] + [275] + [285] + [253] + [287] + [290] + [212] + [490] + [229 + 223] + [318] + [254] / 18,5 cm x 12,5 cm / E. Pele

     

    Resultado de imagem para ramalho ortigãoJosé Duarte Ramalho Ortigão (Porto, Santo Ildefonso, Casa de Germalde, 24 de outubro de 1836 — Lisboa, Mercês, 27 de setembro de 1915) foi um escritor português. José Duarte Ramalho Ortigão nasceu no Porto, na Casa de Germalde, freguesia de Santo Ildefonso. Era o mais velho de nove irmãos, filhos do primeiro-tenente de artilharia Joaquim da Costa Ramalho Ortigão e de sua mulher D. Antónia Alves Duarte Silva. Viveu a sua infância numa quinta do Porto com a avó materna, com a educação a cargo de um tio-avô e padrinho Frei José do Sacramento. Em Coimbra, frequentou brevemente o curso de Direito. Ensinou francês e dirigiu o Colégio da Lapa no Porto, do qual seu pai havia sido diretor. Iniciou-se no jornalismo colaborando no Jornal do Porto e no jornal de cariz monárquico O Correio: Semanário Monárquico(1912-1913). Também foi colaborador em diversas publicações periódicas, em alguns casos postumamente, entre as quais se destaca: Acção realista (1924-1926); O António Maria(1879-1885;1891-1898); Branco e Negro (1896-1898); Brasil-Portugal (1899-1914); Contemporânea (1915-1926); A Esperança(1865-1866; Galeria republicana (1882-1883); Gazeta Literária do Porto (1868), Ideia Nacional  (1915), A Imprensa(1885-1891); O Occidente (1878-1915); Renascença (1878-1879?); Revista de Estudos Livres  (1883-1886), A semana de Lisboa (1893-1895); A Arte Portuguesa (1895); Tiro e Sport  (1904-1913); Serões (1901-1911); O Thalassa: semanario humoristico e de caricaturas (1913-1915). Em 24 de outubro de 1859 casou com D. Emília Isaura Vilaça de Araújo Vieira, de quem veio a ter três filhos: Vasco, Berta e Maria Feliciana. Ainda no Porto, envolveu-se na Questão Coimbrã com o folheto “Literatura de hoje”, acabando por enfrentar Antero de Quental num duelo de espadas, a quem apodou de cobarde por ter insultado o cego e velhinho António Feliciano de Castilho. Ramalho ficou fisicamente ferido no duelo travado, em 6 de fevereiro de 1866, no Jardim de Arca d’Água. No ano seguinte, em 1867, visita a Exposição Universal em Paris, de que resulta o livro Em Paris, primeiro de uma série de livros de viagens. Insatisfeito com a sua situação no Porto, muda-se para Lisboa com a família, obtendo uma vaga para oficial da Academia das Ciências de Lisboa. Reencontra em Lisboa o seu ex-aluno Eça de Queirós e com ele escreve um “romance execrável” (classificação dos autores no prefácio de 1884): O Mistério da Estrada de Sintra (1870), que marca o aparecimento do romance policial em Portugal. No mesmo ano, Ramalho Ortigão publica ainda Histórias cor-de-rosa e inicia a publicação de Correio de Hoje (1870-71). Em parceria com Eça de Queirós, surgem em 1871 os primeiros folhetos de As Farpas, de que vem a resultar a compilação em dois volumes sob o título Uma Campanha Alegre. Em finais de 1872, o seu amigo Eça de Queirós parte para Havana exercer o seu primeiro cargo consular no estrangeiro, continuando Ramalho Ortigão a redigir sozinho As Farpas. Entretanto, Ramalho Ortigão tornara-se uma das principais figuras da chamada Geração de 70. Vai acontecer com ele o que aconteceu com quase todos os membros dessa geração. Numa primeira fase, pretendiam aproximar Portugal das sociedades modernas europeias, cosmopolitas e anticlericais. Desiludidos com as luzes europeias do progresso material, porém, numa segunda fase voltaram-se para as raízes de Portugal e para o programa de um “reaportuguesamento de Portugal”. É dessa segunda fase a constituição do grupo “Os Vencidos da Vida”, do qual fizeram parte, além de Ramalho Ortigão, o Conde de Sabugosa, o Conde de Ficalho, o Marquês de Soveral, o Conde de Arnoso, Antero de Quental, Oliveira Martins, Guerra Junqueiro, Carlos Lobo de Ávila, Carlos de Lima Mayer e António Cândido. À intelectualidade proeminente da época juntava-se agora a nobreza, num último esforço para restaurar o prestígio da Monarquia, tendo o Rei D. Carlos I sido, significativamente, eleito por unanimidade “confrade suplente do grupo”. Na sequência do assassínio do Rei, em 1908, escreve D. Carlos o Martirizado. Com a implantação da República, em 1910, pede imediatamente a Teófilo Braga a demissão do cargo de bibliotecário da Real Biblioteca da Ajuda, escrevendo-lhe que se recusava a aderir à República “engrossando assim o abjecto número de percevejos que de um buraco estou vendo nojosamente cobrir o leito da governação”. Saiu em seguida para um exílio voluntário em Paris, onde vai começar a escrever as Últimas Farpas (1911-1914) contra o regime republicano. O conjunto de As Farpas, mais tarde reunidas em quinze volumes, a que há que acrescentar os dois volumes das Farpas Esquecidas, e o referido volume das Últimas Farpas, foi a obra que mais o notabilizou por estar escrita num português muito rico, com intuitos pedagógicos, sempre muito crítico e revelando fina capacidade de observação. Eça de Queirós escreveu que Ramalho Ortigão, em As Farpas, “estudou e pintou o seu país na alma e no corpo”. Regressa a Portugal em 1912 e, em 1914 dirige a célebre Carta de um velho a um novo, a João do Amaral, onde saúda o lançamento do movimento de ideias políticas denominado Integralismo Lusitano: “A orientação mental da mocidade contemporânea comparada à orientação dos rapazes do meu tempo estabelece entre as nossas respectivas cerebrações uma diferença de nível que desloca o eixo do respeito na sociedade em que vivemos obrigando a elite dos velhos a inclinar-se rendidamente à elite dos novos”. Vítima de cancro, recolheu-se na casa de saúde do Dr. Henrique de Barros, na então Praça do Rio de Janeiro, em Lisboa, vindo a falecer em 27 de setembro de 1915, na sua casa da Calçada dos Caetanos, na Freguesia da Lapa. Foi Comendador da Ordem Militar de Cristo e Comendador da Imperial Ordem da Rosa do Brasil. Além de bibliotecário na Real Biblioteca da Ajuda, foi Secretário e Oficial da Academia Nacional de Ciências, Vogal do Conselho dos Monumentos Nacionais, Membro da Sociedade Portuguesa de Geografia, da Academia das Belas Artes de Lisboa, do Grémio Literário, do Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro, e da Sociedade de Concertos Clássicos do Rio de Janeiro. Em Espanha, foi-lhe atribuída a Grã-Cruz da Ordem de Isabel a Católica e foi membro da Academia de História de Madrid, da Sociedade Geográfica de Madrid, da Real Academia de Bellas Artes de San Fernando, da Unión Ibero americana e da Real Academia Sevillana de Buenas Letras.Foram impressas duas notas de 50$00 Chapa 6 e 6A de Portugal com a sua imagem.


  • Exposição de Arte Sacra Missionária ( Catalogo)

    Exposição de Arte Sacra Missionária ( Catalogo)
    Exposição de Arte Sacra Missionária ( Catalogo) «€20.00»

    Exposição de Arte Sacra Missionária ( Catalogo) – Lisboa – MCMLI / 1951. Desc. 101 pág + 105 Gravuras de Arte Sacra / 22 cm x 16 cm / Br. Ilust.


  • Obras (Vergílio Correia)

    Obras (Vergílio Correia)
    Obras (Vergílio Correia) «€20.00»

    Vergílio Correia – O Paleolítico em Portugal / Facas e Raspadores da Estação Paleolítica de Monsanto I / Novos instrumentos da Estação Paleolítica da Mealhada / A Estação Neolítica dos Sete Moinhos / A Estação Neolítica de vila Pouca (Monsanto) / A Estação Neolítica da Cerca dos Jerónimos / O Neo-Eneolítica de Eira Pedrinha / As Antas / A Exploração Arqueológica da serra das Mutelas (Torres Vedras). Relatório / Gravuras do «Dolmen» da Pedra dos Mouros (Belas) / Ídolos Preistóricos tatuados, de Portugal / Os Ídolos-Placas. Arte Preistória / The Évora Gorget (A Xórca de Ouro de Évora) / A Cerâmica Ibérica no Centro e Sul de Portugal / Alcacer do sal (Esboço de Uma Monografia) / Uma Conferencia Sobre a Necrópole Pré-Romana de Alcácer do Sal em 1926 e 1927 / As Fíbulas da Necrópole de Alcácer do Sal / fechos de Cinturão da necrópole de Alcácer do Sal / no Concelho de Sintra. Escavações e Excursões / Arcos Romanos de Portugal / O Templo Romano de Sant’Ana do Campo (Arraiolos) / Mosaicos Romanos de Portugal / Idanha-a-Velha / Situação Conjectural de Talabriga / Arqueologia de Cárquere / Antiguidades de Armez (Concelho de Cintra) / Uma Sepultura Romana nos Arredores de Oeiras / Moedas Romanas Achadas em Beja no Século XVIII / De Conimbriga. Achadas Vários. Uma Fíbula / Conimbriga. A Camada Pre-Romana da Cidade. Notas de Uma Exploração de Dez Dias em Condeixa-a-Velha / Excavações em Conimbriga / Conimbriga / Conimbriga. A Mais Importante Cidade Romana do Centro de Portugal / Divindades Romanas de Conimbriga / Conimbriga Visigótica – Acta Universitatis Conimbrigensis – Obras «Vol IV» – Universidade de Coimbra – 1972. Desc.[3389 pág / 22 cm x 15 cm / Br. Ilust

    Resultado de imagemVirgílio (ou Vergílio) Correia Pinto da Fonseca (Peso da Régua, 19 de Outubro de 1888 – Coimbra, 3 de Junho de 1944), foi um professor universitário, historiador da arte, arqueólogo e jornalista português. Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em 1911, e Doutor em Letras pela Faculdade de Letras da mesma Universidade, em 1935. Virgílio Correia foi conservador do Museu Etnológico Português (1912) e do Museu Nacional de Arte Antiga (1915). A 3 de Abril de 1920 foi feito Oficial da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada. Leccionou, na Universidade de Coimbra, a disciplina de Estética e História da Arte, desde 1921, e a de Arqueologia, desde 1923. Dirigiu o Museu Machado de Castro, em Coimbra, entre 24 de Novembro de 1929 e a data da sua morte.

     

     


  • Portugueses no Estudo de Salamanca (1250-1550)-1550

    Portugueses no Estudo de Salamanca (1250-1550)
    Portugueses no Estudo de Salamanca (1250-1550) «€50.00»

    Joaquim Veríssimo Serrão – Portugueses no Estudo de Salamanca (1250-1550) – Universidade da Faculdade de Letras de Lisboa / Imprensa de Coimbra Lda.- Lisboa / Coimbra. 1961. Desc. [515] pág + [16] Gravuras / 23 cm x 16 cm / Br. Ilust


  • Revista da Faculdade de Letras

    Revista da Faculdade de Letras - Tomo XXI - 2.ª série - N.º 1
    Revista da Faculdade de Letras – Tomo XXI – 2.ª Série – N.º 1 «€15.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Hernâni Cidade – Almeida Garrett – O Poetas / Joaquim Prado Coelho – Almeida Garrett Prosador / Carlos Estorninho – Garrett e a Inglaterra / Marius Valkhoff – Echanges Neerlando-Romans en France et dans la peninsule Iberique / Orlando Ribeiro – Primórdios da Ocupação das Ilhas de Cado Verde / Robert C. Smith – os Mausoléus de D. João V nas Quatro Partes do Mundo / W. G. L. Randles – The Sources of Sir Thomas More’s Utopia / Scarlat Lambrino – C. Arruntius Catelolius Celer, Gouvernet de Lusitanie sous Vespasien / Fernando de Almeida – c. César Príncipe da Juventude, Honrado em Idanha-a-Nova – (Recensões Críticas) – José de Almeida Pavão Junior – Garrett Clássico e Romântico – Ensaio (Hernâni Cidade) / F. da Costa Marques – Reflexões Sobre a Concepção Camoneana e sua Expressão Artística (Hernâni Cidade) / J. F. de Almeida Prado – Tomás Euder, Pintor Austríaco na Corte de D. João VI no Rio de janeiro (Hernâni Cidade) / Marcelo Caetano – as Cortes de 1385 (V. Rau) / A. R. Bridury – England and the Salt Trade in The  lates Middle Ages / P. E. Russell – The English Intervention in Spain & Portugal in the Time of Edward III & Richard II (V. Rau) / Rogério Azevedo – O Cântico Greco-Latino de Lamas (S.Lambrino) / A Criança Surda (A.- Moreira de Sá) / P. Lídio Sousa Ribeiro – o Curso de Psicologia Experimental e Curso de psicologia racional (A. Moreira de Sá) / P. Macdonald Tow, Personality Changes Following Frontal Leucotomy (A. Moreira de Sá) / Ramón Menéndez-Pidal – Tradicionalidad de las Crónicas Generales de España (Maria de Lourdes Belchior) / Thomas whitfield baldwin – William Shakespeare Adapts a Hanging (J. Monteiro-Grillo) / Lourenço Torres da Silva – Método Moderno para a Tradução do Latim (J. Mendes de Almeida) / Rubens C. Romanelle – O Vocabulário Indo-Europeu e o seu Desenvolvimento Semântico (J. Mendes de Almeida) / Dino Pieraccioni – Morfologia Storica Della Lingua Grega (Walter de Sousa Medeiros) / Frei e. Austin O’Malley – Tello ana theotonio, the Twelfth-century Founders of the Monastery of santa Cruz de Coimbra (Henrique Ruas) / Fernando Castelo-Branco – Dissertação Critica Sobre os Estatutos da Universidade de Coimbra / Fernando Castelo-Branco – Palácio nacional da Ajuda: catalogo das Joias e Pratas da Coroa / Fernando Castelo-Branco – Bracara Augusta – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – Tomo XXI – 2.ª Série – N.º 1 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1955. Desc.[256] pág + [8] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    img_1702
    Revista da Faculdade de Letras – Tomo XXII – 2.ª Série – N.º 1 «€15.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Artur Moreira de Sá – Alguns Documentos Referentes ao Infante D. Pedro / Hernâni Cidade – Almeida Garrett / L. Bourdon – Francisco Dias, Le «Pilote Portugais Borgne» / Fernando Bandeira Pereira – O Paleolítico da Troia de Setúbal. Sua Origem e Significado / Carlos Estorninho – O Terramoto de 1755 e a sua Repercussão nas Relações Luso-Britânicas / António Coimbra Martins – O Padre Prévost e as Suas «Memórias do o Príncipe de Portugal» / Carlos  Azevedo – Um Retrato Português em Inglaterra / Maria de Lourdes Belchior Pontes – A Asia Extrema do Padre António de Gouveia. Relato Seiscentista da Evangelização da China nos séc XVI / Artur Moreira de Sá – Duas Obras Desconhecidas de Henrique Caiado / Justino Mendes de Almeida – Uma Carta do Rei Venturoso ao Papa Leão X…. – Uma Carta de D. Sebastião ao Humanista Aquiles Estaço / Th. Ruyssen, Les Sources de L’Internationalisme (Matos Romão) / Julio Pallí Bonet, Bonet, Homero en Espanã (Justino Mendes de Almeida) / Corpus Codicum latinorum et Portugalensium (J.M.A.) – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – Tomo XXII – 2.ª Série – N.º 1 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1956. Desc.[361] pág + [9] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    Revista da Faculdade de Letras - Tomo XXII - 2.ª Série - N.º 2
    Revista da Faculdade de Letras – Tomo XXII – 2.ª Série – N.º 2 «€15.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Frédéric Mauro – L’Atlantique Portugais et les Esclaves (1570-1670) / Virgínia Rau – Uma Família de Mercadores Italianos em Portugal no Século XV os «Lomellini» / Jacques Heer – L’expansion maritime Portugaise a la fin du Moyen-Âge: la Méditerranée / C. R. Boxer – Some Contemporay Reactions to the Lisbon Earthquake of 1755 / A. H. de Oliveira Marques – A Pragmática de 1340 / A. Moreira de Sá – As Actas das Cortes de 1438 / Justino Mendes de Almeida – Institutiones Grammaticae ex Clenardo (A 1.ª Edição Portuguesa de Gramática Grego de Clenardo) / maria da Graça Carpinteiro – A Lírica de Camões / Carlos de Passos – o Mosteiro e a Igreja de santo Tirso (Hernâni Cidade) / carlos Passos – Colecção de Romances portugueses. Viagens na Minha Terra, de Almeida Garrett (H.C.) / Ivan Lins – Aspectos do Padre António Vieira (H.C.) / Giuseppe Carlo Rossi – Teatro Portoghese e Brasiliano (H.C.) – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – Tomo XXII – 2.ª Série – N.º 2 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1956. Desc.[250] pág + [1] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    Revista da Faculdade de Letras - Tomo XXII - 2.ª Série - N.º 2
    Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 6 «€15.00»

     ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Frederic Mauro – L’Historie, science de L’abstrait / A. Moreira de Sá – A Hereditariedade em Psicologia. Inteligência, Temperamento e Personalidade / Lívio Teixeira – Filosofia e História da Filosofia / D. Fernando de Almeida – Aras Inéditas, Igeditanas, Dedicadas a Marte / C. H. Patrides – as Relações de Milton em Portugal / Fernando de Mello Moser – Liturgia e Iconografia na Interpretação do «Auto da Alma» / Maria Leonor de Castro H. Teles – A Função da Poesia de Blake em «The Horse’ Mouth» / Rita Iriarte – A Distinção Entre Classicismo segundo Ernst Robert Curtins e Gustav René Hocke / Teolinda Gersão Moreno – Apontamentos Sobre o Romantismo e o Romance Moderno / Albert-Alain Bourdon – Le Marquis de Pombal et la reorganisation des flottes de Commerce Entre le Portugal et le Bresil (1753-1766) – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 6 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1962. Desc.[199] pág + [1] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    Revista da Faculdade de Letras - III.ª Série - N.º 6
    Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 9 «€15.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Jorge Alarcão – Um Peso de Balança Figurativo / Fernando de Almeida – Mais Divindades Lusitanas do Grupo «Band» / Wlodzimierz Antoniewicz – De la Figuration d’in Jeune Homme Phallique Graveé sur une de la Grotte de la Marche / C. Arambourg – L’évolution Transformiste des Hominiens / Jean Arnal – Notes sur la Datation des Hypogées Artificiels de L’Europe Occidentale / François Balsan- Grandeur et Simplicité d’um Savant / C. Barrière – Les Couteaux-Faucilles de Rouffignac / J. L. Baudet – Lé Dernier manuscrit de I’Abbé Breuil / António Beltrán – Nota Sobre el Grupo de tres Figuras Negas del Abrigo de «La Saltadora en le Barranco de la Valltorta (Castellón) / Pierre Bierson – L’Abbé Breuil et le «Clacto-Abbevillie» de Casablanca (Maroc) / Jacque Blanchard – L’Abbé Breuil et la Geologie du Quarternaire / P. Bosch-Gimpera – La Chonologie de I’Arte Rupeste Seminaturaliste et Schématique et la Mégalihique Portugaise / J. Bouchud – La Climat du Magdalénien en France d’après des Données Paléontologiques / Mary E. Boyle – Glimpses of the abbé Breuil’s work in Portugal and Portugueses África /  P. cadenat – La Station Rupestre de beit-el-Ghaolua« prè de Tiaret  (Algérie) / Mário Cardozo – O Trabalho da Madeira na Antiguidade da Península Hispânica / Louis Cayeux – Les Industries Clacto-abbevilliennes Normandes / Robert-p. Charles – À La Recherche de L’archétype Humain / Jean Chavaillon – Les Pièces á Tranchant Terminal. Essai de Classification / Eduardo Mário Cigliano – Las Indústrias Precerámicas em le Noroeste Argentino / Y. Coppens – L’ Époque Haddadienne. Une Page de la Protohistoire du Tchard / Gérard Cordier – Contribution à la Connaissance des Industries Paléolithiques en Quartzite du Bassin de la Garonne. Matériaux Provenaut de Cambernard (Haute Garome) / L. Coulonges – Le Périgordien post Glaciaire / Henri Delporte – La Stylisation des Vénus Périgordiennes / Renée l. Doize – Un épisode de Chasse à la Grotte de lascaux (Le Cheval qui Tombe) / Berbárd edeine – Le Néolithique de l’ouest Européen en Base Normandise Rubané Récent, cerny, Chassén. Rapports Interculturels et Chronologie / Denise Ferembach – Les Brachycrãnes Épipaléolithiques de Muge (Portugal) / O. da Veiga Ferreira – Recordação de Uma Viagem do Padre Henri Breuil ao Abrigo de Vale de Junco (Esperança) – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 9 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1965. Desc.[279] pág + [2] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    Revista da Faculdade de Letras - III.ª Série - N.º 11
    Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 11 «€15.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Donald E. Super – Vocational Development Theory. Persons, Positions and Processes / José Calve de Magalhães – A Nacionalidade de Álvaro País / F. Rebelo Gonçalves – Algumas Anotações ao Texto das Rimas Camonianas / Orlando Ribeiro – David Lopes / Luís F. Lindley Cintra – A Obra Filológica do prof. David Lopes / Pedro Cunha Serra – David Lopes (1867-1942) (Ensaio Bio-Bibliográfico) / Olívio Caeiro – Sobre um Alvitre de Friedrich Sengle para a Reforma das Poéticas Tradicionais / Iria Gonçalves – Privilégios de Estalajadeiros Portugueses (Século XIV e XV) / José V. de Pina – Humanismo e Renascimento. A Propósito de um Estudo de Ernst-Robert Curtius / Maria Helena Mira Mateus – Poesias de Jorge de Ágiar e de Jorge de Resende, e Duas Composições de João Roiz de Castelo Branco (Tentativa de Edição Crítica) – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 11 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1967. Desc.[304] pág + [3] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    Revista da Faculdade de Letras - III.ª Série - N.º 11
    Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 13 «€18.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Eugênio Asensio – Texto intergal y Comentario del Poemas de Sá de Miranda:«Ai son de los Vientos que van murmurando» / Marcel Bataillion – L’lle de la Palma en 1561 / Maria de Lourdes Belchior – Poesia e Realidade / Cleonice Berardinelli – os Sonetos de Antero. Tentativa de Análise Estrutural / Victor Buescu – Rua da Betesga / Raymond Cantel – La Retotrica Sagrada ou Arte de Pregar Novamente Descoberta Entre Outros Fragmentos Literários do Grande P. António Vieira / José Gonçalo Herculano de Carvalho – Conhecer Poético e Simbolo / Ivo de José de Castro – As Tardes de Verão, de Frei Jerónimo Baia / Hernani Cidade – Luís de Camões Num Soneto de Torcato Tasso / Luís Filipe Lindley Cintra – Tu e Vós, Como Formas de Tratamento de Deus, em Orações e na Poesia em língua Portuguesa / Jacinto do Prado Coelho – Francisco Dias Gomes, Crítico Literário / Fernando Cristóvão – Graciliano Ramos, Poeta / Sílvio Elia – Presença Portuguesa no Simbolismo Brasileiro / Hans Flasches – Para a Interpretação da Poesia «Pneumotóra» de Manuel Bandeira / Claude-Henri Fréches – Alberto Caeiro et le Monde Interieur / Jean-Michel Massa – Un Ami Portugais de Machado de Assis: Antonio Moutinho de Sousa / Maria Emília Ricardo Marques – Linguística Aplicada: Directrizes Básicas de Uma Programação / Gladstone Chaves Melo – O Enriquecimento da Língua em José de Alencar / Massaud Moisés – Fernando Pessoa e a Poesia do «Orpheu» / Gerald Moser – Alguns Sonetos Esquecidos de Cruz e Sousa / Joseph Maria Piel – Paço e Milhafre: História de Duas palavras e de Alguns Termos Congeneres / António Machado Pires – Uma Carta Inédita Sobre a Acção de 11 de Agosto de 1829 na Vila da Praia / Stephen Reckert – «Bis Repetita Placent» (Um Aspecto d’ A Poesia dos Trovadores) / Robert Ricard – Manuel Bernardes, Sor Juana Inés de la Cruz et le Pére Kircher / Andrée Rocha – Uma Carta inédita de D. Vicente Nogueira / Alberto Machado Rosa – «Boénia Espirituosa» em Coimbra / Giuseppe Carlo Rossi – Il Machivelli in Portogallo / Arnaldo Saraiva – As Influencias Poéticas Sobre o Jovem Carlos Drumond de Andrade / Maria Manuela Saraiva – Sartre, Mauriac e o Problema da Liberdade / Dieter Woll – Decifrando «A Confissão de Lúcio» – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 13 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1971. Desc.[LXVIII] + [441] pág + [1] Gravuras / 25 cm x 17 cm / Br.


    Revista da Faculdade de Letras - III.ª Série - N.º 13
    Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 14 «€15.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – José Van Den Besselaar – António Vieira e a Holanda / J. H. Ferreira Marques – Perpectivas de la Mesure de I’intelligence: Combien y a-t-il e Facteurs g ? / A. Moreira de Sá – Nótula Sobre as Dissertações de Psicologia Apresentadas nos últimos 20 anos na faculdade de Letras da Universidade de Lisboa / J. M. Ferreira Marques – O problema da Validade em Psicologia Deferencial / Luís  A. Caeiro – O «Teste Intercultural de Inteligência» de R. B. cattel. I – Análise Crítica dos Seus Fundamentos e Estrutura / Daniel Silva – A Perpectiva Psicanalista de Interpretação do TAT (Investigação Bibliográfica) / F. Gama Caeiro – A Historiografia das Filosofias Nacionais e Seus Problemas. A Propósito Duma Obra Recente / Olívio Caeiro – Schiller, Poeta Liríco. I- A Antologia Para o Ano de 1782 / Álvaro Pina – Breve Nota crítica Sobre Hard Times, de Charles Dickens / Álvaro Pina – a Propósito da distinção Entre Story e Plot de E. M. Forster / Álvaro Pina – O Novo e o Velho. Livros Recentes Sobre Thomas Hardy / A. Moreira de Sá – Actas dos Conselhos da Universidade de 1505 a 1537 / Olívio Caeiro – Jonhannes Kleinstück, Wirklichkeit und Realitat / Olívio Caeiro – Erwin Theodor Resenthal. Das Fragmentarische Unisersum –  Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – III.ª Série – N.º 14 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1971. Desc.[372] pág / 25 cm x 17 cm / Br.


    img_1711
    Revista da Faculdade de Letras – IV.ª Série – N.º 1 «€30.00»

    ( ) – Revista da Faculdade de Letras – Vanguarda, Ideologia e comunicação / João Barrento. – As viagens Longe da Porta de Vitorino Nemésio / Fernando Alves Cristóvão. – O Dito e o Interdito in Três Vingadores de José Régio / Maria João M. Brilhante e Maria Cristina Torres. – Uma homenagem académica a Dom João IV / José van den Besselaar. – A Edição de 1516 do Cancioneiro Geral de Garcia de Resende / Helena Marques Dias e Ivo Castro. – Boccacio em Santillana / M. Isabel López Bascuñana. – A partir de Geoffrey Hill / Joaquim Manuel Magalhães. – A Propósito de um Manuscrito do Museu Britânico sobre a visita de Byron a Portugal / J. Almeida Flor. – A reappraisal of the Merchant of Venice / F. de Mello Moser. – A Concepção Estética e Política da literatura em Heinrich Heine / Rita Iriarte. – Tás bom pá? Pá: tentativa de ensaio linguístico / Eberhard Axel Wilhelm. – A propósito de certas etimologias contestadas: Pala a Pala / Joseph M. Piel. – A ortografia de Duarte Nunes do Lião / Maria Leonor Carvalhão Buescu. – Aspectos distribucionais e sequenciais da organização informacional do discurso: uma aplicação ao código morfológico / Vasco R. Cabral. – Contribuição para uma lista portuguesa de respostas banais ao psicodiagnóstico de Rorschach / Isabel Bernardo Fernandes. – Marx, Freud e a psicologia social / Helmut Dahmer. – O jovem Hegel: subsídios para a leitura de O espiríto do cristianismo e seu destino / Leonel Ribeiro dos Santos. – Alexandre Herculano e o problema de Ourique: dois temas de reflexão /  F. Sales Loureiro. – Uma traça jesuíta para a antiga cidade de S. Tiago de Cabo Verde / Pedro Canavarro. – Notas de demografia regional: a comarca de Leiria em 1537 / Iria Gonçalves. – Algumas reflexões sobre a legislação monetária de Afonso III / Maria José Pimenta Ferro. – O Afluxo ao Meio Urbano no Timor português / Luís Filipe F. R. Thomaz – Universidade de Lisboa – Revista da Faculdade de Letras – IV.ª Série – N.º 1 – Imprensa de Coimbra – Coimbra – 1976-77. Desc.[731] pág + [1] Mapa / 23 cm x 16 cm / Br.