• Category Archives Cinema
  • Autores – Boletim da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses

    Autores - Boletim da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses «€30.00»
    Autores – Boletim da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses «€15.00»

    (1) – Autores – Boletim da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses – O que os Interessados Devem Fazer Para ser Administrados pelo S.E.C.T.P / Aquilino Ribeiro – Camões e os Seus «Direitos de Autor» / A S.E.C.T.P e a Sua Acção nas Nossas Províncias Ultramarinas / Augusto de Castro – «José Maria» / José Galhardo – O Direito de Autor / Natércia Freire – «Rapsódia Portuguesa / O Fidalgo Aprendiz de D. Francisco Manuel de Melo Inspirou o «Bourgeois Gentilhomen» de Mollière / Luis Francisco Rebello – o papel do Actor / O Centenário de Ferreira da Silva / O Primeiro Texto em Língua Portuguesa, Com Autoridade, de uma Convenção Multilateral / Artur Inês – Uma Tarde com o Maestro Calderon / Laura Chaves – Personalidade / Carlos Selvagem – A Figura e a Obra de Marcelino Mesquita / Roberto Nobre – Encenação para o Palco e Para a Tela / Tomaz Ribas – A Escola de Bailado Clássico do Teatro Nacional de São Carlos / A Estreia de Félix Bermudes / Aqui Entre Nós… / A Inspecção dos Espectáculos e a Propriedade Intelectual

    (2) – Autores – Boletim da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses – Julio Dantas / da Criação Intelectual Como o Salazar Prepara os Seus Discursos (Segundo as Suas Confidencias) / Dois Cenários / José Galhardo – O Direito de Autor / Conferencia Diplomática de Munique / Ramada Curto – D. João da Câmara / a Estreia de Fernando Santos / Eurico Serra – O Cinemas e a Juventude / Sousa Costa – O Prólogo de Um Grande Drama / “A Severa” Uma Peça Célebre / Eduardo Scarlatti – Bergson e o Mecanismo do Cômico / A Despedida de Teresa Gomes / António Manuel Couto Viana – Teatro Infantil / Aqui Entre Nós… / O Teatro Brasileiro / Estreias de Temporada / Emilio Duque – Porque Fiz e Como Fiz a Adaptação de «O Primo Basílio»

    (3) – Autores – Boletim da Sociedade de Escritores e Compositores Teatrais Portugueses – A Força do Direito / Schwalbach Evocação Por Júlio Dantas / No Centenário de Teixeira Gomes / Da Criação Intelectual Deve ou Não o Escritor ser Responsável pela sua Obra? A Opinião de Augusto de Castro / Comentário a Novíssima Legislação Administrativa Sobre Espectaculos Públicos / José Galhardo – O Direito de Autor / A Estreia de Arnaldo Leite / Aqui Entre Nós… / O «Travesti» no Teatro / Confidências de Joray Camargo / Carlos Selvagem – A História de «Entre Giestas» / Luis Teixeira – O Bom Tempo de Outrora / Oliveira Martins Dramaturgo / Joaquim de Oliveira – O que Foi o “Teatro Novo” no Tivoli há 35 Anos / Bernardo Santareno – de Um Certo Teatro e de Um Certo Público… / O que é a Cinemateca Nacional / a Menina Televisão


  • Revista – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP)

    (1) – Revista / Março de 1985 – n.º1 – O Traçar do Rumo – Fernando Cristovão / Homenagem ao Instituto de Alta Cultura – lídio do Amaral /  A Praça do Príncipe Real e os Vários Prédios que o Circundam – Eduardo Martins Bairrada / Para Uma Perspectiva da Cultura Portuguesa – Fernando de Mello Moser / Uma Personalidade, Um Tempo, Uma Obra – Fernando Namora Fala a Maria Alzira Seixo / Inter-Bruxo: Um Analisador Ortográfico Interativo para o Português – Pedro Guerreiro / Homem de saber e de Fé: Padre Manuel Antunes: – A. L. de Sousa Franco / O Tratamento Lexicográfico de Texto africano em Língua Portuguesa. O «Africanismo» – Carlos Alberto Antunes Maciel / a Universidade de Coimbra Acolheu Tancredo Neves / Academia das Ciências de Lisboa / In Memoriam… /  Evocações Pessoanas / Prémios e Condecorações – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 118 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (2) – Revista / Agosto – Dezembro de 1985 – n.º2 & 3 – Linguagem e Ciência – Harald Weinrich / Gramática Pastrane Um Apontamento Bibliognóstico – Justino Mendes de Almeida / Uma Personalidade, Um Tempo, uma Obra – Luis Archer Fala a Maria de Lurdes Belchior / Questões Sobre a Cultura Portuguesa – Respostas e Prof. Dr. José Sebastião da Silva Dias / Língua e Cultura Portuguesa no Mundo – Fernando Cristóvão / Das Geometrias Labirínticas – Lima de Freitas / Linguagem e Celebração Religiosa – Albino Mamede Cleto / Letra da Lei em Tradução – José Pestana / Sociedade da Língua Portuguesa / Homenagens / Língua e Literatura na  Universidade dos Açores  – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1985. Desc. 176 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»

    (3) – Revista / Julho de 1986 – n.º 5 – Unidade da Língua Portuguesa / Maria Helena Mira Mateus  – Bases Analíticas da Ortografia Simplificada da Língua Portuguesa de 1945, renegociadas em 1975 e consolidadas em 1986  / Unificação ortográfica da Língua Portuguesa – João Malaca Casteleiro / A hora e a vez da Língua Portuguesa – Fernando Cristóvão / Um juízo sobre o novo Acordo Ortográfico – Ivo de Castro /  As origens do novo acordo – Luís F. Lindley Cintra  / O Acordo Ortográfico na praça pública  A Língua dos «Infantes» –  Eduardo Prado Coelho  /  Humortográfico /  Ortografia e Ortografia Portuguesa – José Gonçalo Herculano de Carvalho / Notícia sobre a elaboração da Terminologia Científica e Técnica da Língua Portuguesa / Maria Elisa Macedo Oliveira  – Uma Personalidade, Um Tempo Uma Obra – José de Matos / Cruz fala de Cinema Português  / Fernando Pessoa e os meandros da Solidão – António Mateus Vilhena / O Universo Telúrico de Aquilino Ribeiro (II) –  Antonio Valdemar / UMA INSTITUiÇÃO, UMA HISTÓRIA Os Jardins-Escolas João de Deus – Um Centro Cultural, Um · Método, Uma Cartilha /  Do ensino do Latim na actualidade – Maria Helena da Rocha Pereira / Foi a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento a Espanha quem descobriu o Brasil? – Um depoimento descoberta do Brasil – Luís de Albuquerque / Prémios literários em Portugal – Dulce Matos  / O aniversário do Tratado de Windsor / Baquero Moreno – Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) – Lisboa – 1986. Desc. 168 pág / 23 cm x 16,5 cm / Br. Ilust «€15.00»


  • Fotobiografias Século XX

  • Sete Palcos – Revista Teatro e Cinema

    This gallery contains 4 photographs in all as   photograph etc.

  • A Invasão a Revolução dos Beatos (Teatro)

    A Invasão a Revolução dos Beatos (Teatro) «€30.00»
    A Invasão a Revolução dos Beatos (Teatro) «€40.00»

    Dias Gomes – A Invasão a Revolução dos Beatos (Teatro) – Editora Civilização Brasileira – Rio de Janeiro – 1962. Desc. 255 pág / 21 cm x 14 cm / Br  «1.º Edição – Autografado»

    Alfredo de Freitas Dias Gomes, mais conhecido pelo sobrenome Dias Gomes, (Salvador, 19 de Outubro de 1922 —São Paulo, 18 de maio de 1999) foi um romancista, dramaturgo, autor de telenovelas e membro da Academia Brasileira de Letras. Também conhecido pelo seu casamento com a também escritora Jenete Stocco Emmer (Janete Clair). Dias Gomes nasceu em Salvador, na Bahia, em 19 de Outubro de 1922. Filho de Alice Ribeiro de Freitas Gomes e Plínio Alves Dias Gomes, um engenheiro, fez o curso primário no Colégio Nossa Senhora das Vitórias, dos Irmãos Maristas, e iniciou o secundário no Ginásio Ipiranga. Em 1935, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, onde prosseguiu o curso secundário no Ginásio Vera Cruz e posteriormente no Instituto de Ensino Secundário. Em 1943, ingressou na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, abandonando o curso no terceiro ano.Foi no ambiente radiofónico que Dias Gomes travou contacto pela primeira vez com aquela que viria a se tornar sua primeira esposa, a então desconhecida Jenete (Janete Clair). Com ela casou-se em 13 de Março de 1950, teve os filhos: Alfredo Dias Gomes, Guilherme Dias Gomes, Marcos Plínio (falecido) e Denise Emmer. Viúvo de Janete Clair, que morrera um ano antes, em 1984 Dias casa-se com a actriz Bernadeth Lyzio, com quem tem duas filhas: Mayra Dias Gomes (escritora) e Luana Dias Gomes. Dias Gomes morreu num acidente automobilístico em 18 de maio de 1999. Essencialmente um homem de teatro, aos 15 anos Dias Gomes escreveu sua primeira peça, A Comédia dos Moralistas, com a qual ganharia o prémio do Serviço Nacional de Teatro e pela União Nacional dos Estudantes (UNE), no ano seguinte. Em 1941 sua peça Amanhã Será Outro Dia chega às mãos do ator Procópio Ferreira que, empolgado com a qualidade do texto, chama o autor para uma conversa. Embora tivesse gostado do que lera, tratava-se de um drama antinazista e Procópio achava arriscado levar à cena um espectáculo desse porte em plena Segunda Guerra Mundial. Quando questionado se não teria uma outra peça, de comédia talvez, Dias lembrou-se de Pé de Cabra, uma espécie de sátira ao maior sucesso de Procópio até então, e não hesitou em levá-la ao grande actor que, entusiasmado, comprometeu-se a encená-la. Sob a alegação de que a peça possuía alto conteúdo marxista, Pé de Cabra seria proibida no dia da estreia. Curioso notar que, embora anos depois o autor viesse a se filiar ao Partido Comunista Brasileiro, até então Dias IMG_2683Gomes nunca havia lido uma só linha de Karl Marx. Graças à sua influência, Procópio consegue a liberação da peça, mediante o corte de algumas passagens, e a mesma é levada à cena com grande sucesso. No ano seguinte, Dias Gomes assinaria com Procópio aquele que seria o primeiro grande contrato de sua carreira, no qual se comprometia a escrever com exclusividade para o ator. Desse período nasceram Zeca Diabo, João Cambão, Dr. Ninguém, Um Pobre Géio e Eu Acuso o Céu. Infelizmente nem todas as peças foram encenadas, pois logo Dias e Procópio se desentenderam por sérias divergências políticas. Refletindo o pensamento da época, Procópio não concordava com as preocupações sociais que Dias insistia em discutir em suas peças. Tais diferenças levariam o autor a se afastar temporariamente dos palcos e ele passou a se dedicar ao rádio. De 1944 a 1964 Dia Gomes adaptou cerca de 500 peças teatrais para o rádio, o que lhe proporcionou apurado conhecimento da literatura universal. Em 1960 Dias Gomes volta aos palcos com aquele que viria a ser o maior êxito de sua carreira, pelo qual se tornaria internacionalmente conhecido: O Pagador de Promessas. Adaptado para o cinema, O Pagador seria o primeiro filme brasileiro a receber uma indicação ao Óscar e o único a ganhar a Palma de Ouro em Cannes. Em 1965 Dias assiste, perplexo, à proibição de sua peça O Berço do Herói, no dia da estreia. Adaptada para a televisão com o nome de Roque Santeiro, a mesma seria proibida uma década depois, também no dia de sua estreia. Somente em 1985, com o fim do Regime Militar, o público iria poder conferir a Roque Santeiro – que, diga-se de passagem, viria a se tornar uma das maiores audiências do género. Com a implantação da Ditadura Militar no Brasil, em 1964, Dias Gomes passa a ter suas peças censuradas, uma após a outra. Demitido da Rádio Nacional, graças ao seu envolvimento com o Partido Comunista, não lhe resta outra saída senão aceitar o convite de Boni, então presidente da Rede Globo, para escrever para a televisão. De 1969 a 1979 Dias Gomes dedica-se exclusivamente ao veículo, no qual demonstra incomum talento. Em 1972 Dias Gomes levaria o povo para a televisão ao ambientar Bandeira 2 no subúrbio carioca. Em 1973 escreveu a primeira novela em cores da televisão brasileira, O Bem Amado. Em 1974 já falava em ecologia e no crescimento desordenado da cidade com O Espigão. Em 1976, com Saramandaia, abordaria o realismo fantástico, então em moda na literatura. O fracasso de Sinal de Alerta, em 1978, leva Dias a se afastar do género telenovela temporariamente. Ao longo de toda a década de 1980, Dias Gomes voltaria a se dedicar ao teatro, escrevendo para a televisão esporadicamente. Datam desse o período os seriados O Bem Amado e Carga Pesada (apenas no primeiro ano), e as novelas Roque Santeiro e Mandala, das quais escreveria apenas parte. Nos anos 90, Dias Gomes viraria as costas de vez para as telenovelas, dedicando-se única e exclusivamente às mini séries.


  • Quem é Quem nas Artes e nas Letras do Brasil

     Quem é Quem nas Artes e nas Letras do Brasil
    Quem é Quem nas Artes e nas Letras do Brasil «€30.00»

    Clarival Valladares, Vladimir Alves de Souza, Vasco Mariz, David E. Neves, Bárbara Heliodora e Tristão de Ataíde –  Quem é Quem nas Artes e nas Letras do Brasil(Artistas e Escritores Contemporâneos ou Falecidos Depois de 1945) [Introdução de Vasco Mariz] – Ministério das Relações Exteriores / Departamento Cultural e de Informação – Rio de Janeiro – 1966. Desc. 352 pág / 23 c, x 16 cm / Br.


  • Luis de Camões “O Trinta Fortes”

    Luis de Camões "O Trinta Fortes"
    Luis de Camões “O Trinta Fortes” «€30.00»

    Quirino da Fonseca – Luis de Camões “O Trinta Fortes” – Novela Heróica em Acção Cinematográfica, Musicada – Tip «Minerva» de Gaspar Pinto de Sousa & Irmão – Vila-Nova-de-Famalicão – 1934. Desc. 336 pág / 19 cm x 12,5 cm / Br. «1.º Milhar  n.º 100 – Autografado Pelo Autor»


  • Comunidade – Luiz Pacheco / Teatro

    Comunidade - Luiz Pacheco
    Comunidade – Luiz Pacheco «€10.00»

    Comunidade – Texto: Luiz Pacheco – Encenação: José Carretas / Cenografia: João Brites / Música: Luis IMG_1894Pedro Faro / Interpretação: Cândido Ferreira – Execução Gráfica: Gamatipo – Lisboa – 1988. Desc. 16 pág  + Capa de Origem + 1 Estampa / 30 cm x 21 cm / Br. Ilust  (Folheto Original  Muito Ilustrado)

    Obs. Folheto com Participação de texto de João Brites, Luis Pedro Faro, Vera Marques Alves, Deolinda Teixeira, Maria João Alexandre, Ana Paula Gomes, Maria Augusta Júdice, José Silva Pereira, Bernardo Azevedo Gomes, Cristina Cordeiro,Margarida Dias Coelho, Luís Guerreiro, Rui Zink, Manuel Brito, Alberto Pimentel


  • Amor de Perdição-2

    Amor de Perdição
    Amor de Perdição «€50.00»

    Camilo Castelo Branco – Amor de Perdição –  (Memórias Duma família – Domingos Barreira – Porto – 1943. Desc. 250 pág + 13 Ilustrações Fotográficas Estriadas do Filme Realizado por António Lopes Ribeiro / 23 cm x 17 cm / Edição Revista por Augusto C. Pires de Lima  – Br. Com capa Original

     

     

    Livro Publicado com base no filme realizado por António Lopes Ribeiro (Lisboa, 16 de Abril de 1908 — Lisboa, 14 de Abril de 1995) foi um cineasta português. Filho de Manuel Henrique Correia da Silva Ribeiro e de sua mulher Ester da Nazaré Lopes e irmão do actor Ribeirinho, começou por se dedicar à crítica cinematográfica, actividade a que se dedicou a partir dos 17 anos de idade, no jornal Diário de Lisboa, e no exercício da qual fundou diversas revistas dedicadas à crítica de cinema. Três anos mais tarde, estreia-se como realizador com o documentário Bailando ao Sol (1928). De 1940 a 1970, parte da sua obra cinematográfica é dedicada aos actos oficiais do Estado Novo, sendo por isso chamado de “cineasta do regime”. Alguns exemplos desta faceta de Lopes Ribeiro são A Revolução de Maio (1937), o Feitiço do Império (1940) ou Manifestação Nacional a Salazar (1941). Para além destas duas actividades, António Lopes Ribeiro demarcou-se como produtor de cinema (Fundador das Produções Lopes Ribeiro), jornalista, argumentista, profissional de televisão desde 1957 (foi apresentador do programa Museu do Cinema, na RTP, de 1961 a 1974), da rádio e figura do teatro.


  • Memórias de Maurice Chevalier

    Memórias de Maurice Chevalier
    Memórias de Maurice Chevalier «€15.00»

    Marcel Pagnol – Memórias de Maurice Chevalier – Livraria Bertrand – Lisboa – 1968. Desc. 295 Pagi /21,5 cm x 16 cm /E.

     Pagnol nasceu em 28 de Fevereiro de 1895, em Aubagne , Bouches-du-Rhône departamento , no sul da França perto de Marselha , o filho mais velho do professor Joseph Pagnol  e costureira Agostinho Lansot. Marcel Pagnol cresceu em Marselha com seu jovem irmãos Paulo, René, e irmã mais nova Germaine.Para espanto de seu pai, Pagnol aprendeu a ler em uma idade jovem.  Sua mãe, no entanto, não permitiu que ele tocasse um livro até que ele tinha seis anos “por medo de explosão cerebral”. Em julho 1904 , a família alugou oNeuve Bastide ,  – uma casa na aldeia sonolenta provençal de La Treille -. das férias de Verão, o primeiro de muitos gastos no campo montanhoso entre Aubagne e Marselha  Sobre o mesmo tempo, saúde de Agostinho, que nunca tinha sido robusto, começou a visivelmente declinar e em 16 junho de 1910, ela sucumbiu a uma infecção no peito ( “mal de poitrine” ) e morreu, aos 36 anos. José casou-se novamente em 1912. Em 1913 , com a idade de 18 anos, Marcel passou seu bacharelado em filosofia e começou a estudar literatura na Universidade de Aix-en-Provence. Quando a Primeira Guerra Mundial começou, ele foi chamado para a infantaria, em Nice, mas em janeiro de 1915, ele foi dispensado por causa de sua constituição pobres ( “faiblesse de Constituição” ).Em 2 de março de 1916, ele se casou com Simone Colin em Marselha e em novembro se formou em Inglês.  Ele se tornou um professor de Inglês, ensinando em várias faculdades locais e em um liceu em Marselha Em 1922, ele se mudou para Paris , onde ensinou Inglês até 1927, quando ele decidiu, em vez de dedicar sua vida a dramaturgo. Durante este tempo, ele pertencia a um grupo de jovens escritores, em colaboração com um dos quais, Paulo Nivoix , ele escreveu a peça, comerciantes de Glória , que foi produzido em 1924. Este foi seguido, em 1928, por Topaze , uma sátira baseada em ambição. Exilado em Paris, retornou nostalgicamente às suas raízes provençais, tendo este como seu cenário para sua peça, Marius , que mais tarde tornou-se o primeiro filme Pagnol em 1931 . Separado de Simone Collin desde 1926 (embora não se divorciaram até 1941), formou um relacionamento com a jovem dançarina Inglês Kitty Murphy:. Seu filho, Jacques Pagnol, nasceu em 24 de setembro de 1930  (Jacques tarde tornou-se assistente de seu pai e posteriormente um cinegrafista de France 3 Marseille ).Em 1926, em uma visita a Londres, Pagnol participou de uma exibição de um dos primeiros filmes a falar e ele estava tão impressionado que decidiu dedicar seus esforços para cinema. Ele contactou Paramount Imagem estúdios e sugeriu adaptar seu jogo Marius para o cinema. Este foi dirigido por Alexander Korda e lançado em 10 de Outubro de 1931. Tornou-se um dos primeiros sucesso de língua francesa filmes que falam. Em 1932 fundou Pagnol seus próprios estúdios de produção de filmes no campo, perto de Marselha. Na próxima década Pagnol produziu seus próprios filmes, tendo muitos papéis diferentes na produção – director financeiro, roteirista, diretor de estúdio, e língua estrangeira tradutor script – e empregar os maiores atores franceses da época. Em 4 de Abril de 1946, Pagnol foi eleito para a Académie Française , tendo sua sede em Março de 1947, o primeiro cineasta a receber esta honra. Em seus filmes, Pagnol transfere seus talentos de dramaturgia para o grande ecrã. Seu estilo de edição é sombrio reservados, colocando ênfase no conteúdo de uma imagem.Como naturalista pictórica, Pagnol confia em filme como arte para transmitir um significado mais profundo e não apenas uma ferramenta para contar uma história. Pagnol também teve um grande cuidado no tipo de actores que ele empregados, contratar atores locais para aparecer em seus filmes para destacar seus sotaques originais e cultura. . Semelhante a suas peças, Pagnol enfatiza diálogo e musicalidade de seus filmes. O tema de muitos filmes de Pagnol gira em torno da observação aguda de rituais sociais. O uso de símbolos intercambiáveis e recorrendo  papéis do caráter, tais como pais orgulhosos e crianças rebeldes, Pagnol ilumina a vida provinciana da classe mais baixa. Notavelmente, Pagnol também frequentemente compara mulheres e terra, mostrando tanto pode ser estéril ou fértil. Acima de tudo, todo o Pagnol usa isso para ilustrar a importância dos laços humanos e a sua renovação. Em 1945, Pagnol re-casados, a atriz Jacqueline Bouvier . Eles tiveram dois filhos juntos, Frédéric (nascido em 1946) e Estelle (nascido em 1949). Estelle morreu com a idade de dois. Pagnol foi tão devastada que ele fugiu do sul e voltou a morar em Paris. Ele voltou a escrever peças, mas depois de sua próxima peça foi mal recebida, ele decidiu mudar seu trabalho mais uma vez e começou a escrever uma série de romances autobiográficos – Souvenirs d’enfance – com base em suas experiências de infância. Em 1957, os dois primeiros romances da série, La Gloire de mon père e Le château de ma mère foram publicados a aclamação instante. O terceiro Le Temps des segredos foi publicado em 1959;  embora as quarta Le Temps des Amours era permanecer inacabado e não foi publicado até 1977, depois de sua morte. Enquanto isso, Pagnol virou-se para uma segunda série, L’Eau des Collines – Jean de Florette e Manon des Sources – que incidiu sobre as maquinações da vida camponesa provençal na virada do século XX e foram publicados em 1962.  Pagnol morreu em Paris em 18 de abril de 1974. Ele foi enterrado em Marselha no cemitério La Treille , junto com sua mãe e seu pai, irmãos e esposa. Seu amigo de infância, David Magnan ( Lili des Bellons nos autographies), morreu na Segunda Batalha do Marne , em julho de 1918, e foi enterrado nas proximidades. Pagnol a adaptar seus próprios filmes Manon des Sources , com sua esposa, Jacqueline, no papel título, em duas novelas, Jean de Florette e Manon des Sources , coletivamente intitulado L’Eau des Collines . Na década de 1980, ambos os livros foram adaptados para o cinema por volta cineasta Claude Berri , de fama internacional. Reminiscências afectivas Pagnol de infância, La Gloire de mon père e Le château de ma mère também foram filmados com sucesso por Yves Robert , em 1990.