• Curso de Liturgia Romana

    Dom António Coelho, O. S. B. – Curso de Liturgia Romana – Tomo 1 &2 (Actualizada por J. P. de Carvalho, o, S, B – Mosteiro de Singeverga – Negrelos / Depósito «Pax» – Livraria Litúrgica Editora – Braga – 1941/1943. Desc.[XX] + [768] + [553] pág / 25 cm x 17 cm / E. Pele


  • História da Construção do Antigo Farol de «Cockburn»

    José Maria de Vasconcellos e Sá – História da Construção do Antigo Farol de «Cockburn» – Tipografia da Liga dos Combatentes da Grande Guerra – Lisboa – 1951. Desc.[224] + [50 Fotogravura] / 25 cm x 19 cm / E. Tela


  • Lições de Filosofia Tomista

    Manuel Corrêa de Barros – Lições de Filosofia Tomista – Livraria Figueirinha – Porto – 1945. Desc.[430] pàg / 23 cm x 17 cm / E. Tela

    O tomismo é a filosofia escolástica de São Tomás de Aquino (1225-1274), e que se caracteriza, sobretudo pela tentativa de conciliar o aristotelismo com o cristianismo. Procurando assim integrar o pensamento aristotélico e neoplatônico, aos textos da Bíblia, gerando uma filosofia do Ser, inspirada na fé, com a teologia científica.

    A filosofia tomista é, por excelência, a metafísica ao serviço da teologia[.

    Aqueles que seguem este pensamento ou alguma de suas doutrinas são conhecidos por tomistas. No Concílio de Trento o tomismo ocupou lugar de honra e, a partir do papa Leão XIII, foi adoptado como pensamento ou uma das correntes teológicas oficiais da Igreja Católica, senão a principal.

    O tomismo afirma-se e caracteriza-se como uma crítica que valoriza a orientação do pensamento platônico-agostiniano em nome do racionalismo aristotélico, que pareceu um escândalo, no campo católico, ao misticismo agostiniano. Alem do mais, o tomismo se afirma e se caracteriza como o início da filosofia no pensamento cristão e, por conseguinte, como o início do pensamento moderno, enquanto a filosofia é concebida qual construção autônoma e crítica da razão humana.

    Segundo a concepção platônico-agostiniana, o conhecimento humano depende de uma particular iluminação divina; segundo esta doutrina, portanto, o espírito humano está em relação imediata com o inteligível, e tem, de certo modo, intuição do inteligível. A esta gnosiologia inatista, Tomás opõe francamente a gnosiologia empírica aristotélica, em virtude da qual o campo do conhecimento humano verdadeiro e próprio é limitado ao mundo sensível. Acima do sentido há, sim, no homem, um intelecto; este intelecto atinge, sim, um inteligível; mas é um intelecto concebido como uma faculdade vazia, sem ideias inatas – é uma tabula rasa, segundo a famosa expressão – ; e o inteligível nada mais é que a forma imanente às coisas materiais. Essa forma é enucleada, abstraída pelo intelecto das coisas materiais sensíveis.

    Essa gnosiologia é naturalmente conexa a uma metafísica e, em especial, a uma antropologia, assim como a gnosiologia platônico-agostiniana era conexa a uma correspondente metafísica e antropologia. Por isso a alma era concebida quase como um ser autônomo, uma espécie de natureza angélica, unida intrinsecamente a um corpo, e a materialidade do corpo era-lhe mais de obstáculo do que instrumento. Por conseguinte, o conhecimento humano se realizava não através dos sentidos, mas ao lado e acima dos sentidos, mediante contato direto com o mundo inteligível; precisamente como as inteligências angélicas, que conhecem mediante as espécies impressas, ideias inatas. Vice-versa, segundo a antropologia aristotélico – tomista, sobre a base metafísica geral da grande doutrina da forma, a alma é concebida como a forma substancial do corpo. A alma é, portanto, incompleta sem o corpo, ainda que destinada a sobreviver-lhe pela sua natureza racional; logo, o corpo é um instrumento indispensável ao conhecimento humano, que, por consequência, tem o seu ponto de partida nos sentidos.

    A terceira característica do agostinianismo é o assim chamado voluntarismo, com todas as consequências de correntes da primazia da vontade sobre o intelecto. A característica do tomismo, ao contrário, é o intelectualismo, com a primazia do intelecto sobre a vontade, com todas as relativas consequências. O conhecimento, pois, é mais perfeito do que a ação, porquanto o intelecto possui o próprio objeto, ao passo que a vontade o persegue sem conquistá-lo. Esta doutrina é aplicada tanto na ordem natural como na ordem sobrenatural, de sorte que a bem-aventurança não consiste no gozo afetivo de Deus, mas na visão beatifica da essência divina.


  • Guerra e Paz

    Leão Tolstoi – Guerra e Paz – Vol I , II, III (Tradução Integal, Notas e um estudo Biografico e Crítico de João Gaspar Simões & Ilustrações de Júlio Pomar – Editorial Sul Limitada – Lisboa – 1956. Desc.[551] + [380] + [446 + XIII] pág + [Gravuras] / 26 cm x 20 cm / E. Pele

    Guerra e Paz é um romance histórico escrito pelo autor russo Liev Tolstói e publicado entre 1865 e 1869 no Russkii Vestnik, um periódico da época. É uma das obras mais volumosas da história da literatura universal. O livro narra a história da Rússia à época de Napoleão Bonaparte (notadamente as guerras napoleônicas na Rússia). A riqueza e realismo de seus detalhes assim como suas numerosas descrições psicológicas fazem com que seja considerado um dos maiores livros da História da Literatura.

    Tolstói desenvolve no livro uma teoria fatalista da História, onde o livre-arbítrio não teria mais que uma importância menor e onde todos os acontecimentos só obedeceriam a um determinismo histórico irrelutável.

    Guerra e Paz criou um novo gênero de ficção. Apesar de atualmente ser considerada um romance, esta obra quebrou tantos códigos dos romances da época que diversos críticos não a consideraram como tal. O próprio Tolstói considerava Anna Karenina (1878) como sua primeira tentativa de romance, no sentido aceito na Europa

    Guerra e Paz fez um enorme sucesso à época de sua publicação, imprevisto até mesmo para o autor, Tolstói.



  • Répertoire de l’Administration et de la Comptabilité des Etablissements de Bienfaisance, Hospices, Hopitaux, Bureaux de Bienfaisance, Asiles d’Aliénés … tome II

    E.Durieu, Et Germain Roche – Répertoire de l’Administration et de la Comptabilité des Etablissements de Bienfaisance, Hospices, Hopitaux, Bureaux de Bienfaisance, Asiles d’Aliénés … Tome II – A Paris – 1842. Desc.[851] pág / 22 cm x 15 cm / E.


  • Peregrinações e Livros de Milagres na Nossa Idade Média

    Mário Martins, S.J. – Peregrinações e Livros de Milagres na Nossa Idade Média – Edições Brotéria – Lisboa – 1957. Desc.[211] pág / 23 cm x 16,5 cm / E. Tela


  • «Febres Infecciosas» Notas Sobre o Concelho de Loulé


    Geraldino Brites – «Febres Infecciosas»Notas Sobre o Concelho de Loulé – História e memórias da Academia das Sciências de Lisboa – Imprensa da Universidade de Coimbra – 1914. Desc.[432] pág + [1]Mapa / 32 cm x 21 cm / E. Pele

    Geraldino da Silva Baltazar Brites (Paranhos, Porto, 25 de julho de 1882 — Lisboa, 23 de agosto de 1941), foi um médico, investigador, professor catedrático da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e cientista português. Ao longo da sua brilhante carreira exerceu diversas funções: médico municipal em Loulé (1908-1910), Chefe do Laboratório da 1ª Clínica Cirúrgica (1910), Director do Hospital Escolar de Lisboa (1910), naturalista da cadeira de Zoologia na Universidade de Coimbra (1910-1913), 1º assistente do Laboratório de Histologia e Embriologia da Universidade de Coimbra (1912-1913), Secretário da Morgue da 3ª Circunscrição Médico-Legal (1911-1915) e Médico alienista do Conselho Médico-Legal da 3ª Circunscrição (1913-1915). A 2 de janeiro de 1915 sai de Coimbra e vai para Lisboa, onde passa a exercer funções de Chefe do Laboratório de Terapêutica Cirúrgica. A 14 de janeiro deste ano, cessa as suas funções enquanto Secretário da Morgue e Médico alienista do Conselho Médico Legal da 3ª Circunscrição. De 1915 a 1922, esteve no serviço de Tanatologia do Instituto de Medicina Legal em Lisboa, do qual foi Chefe de serviço de 1918 a 1921. Entre as centenas de autópsias de que fez parte, destaca-se a autópsia ao Presidente da República Dr. Sidónio Pais que realizou conjuntamente com o Dr. Asdrúbal António d’Aguiar, Chefe de serviço de Clínica Médico-Legal de Lisboa e principal responsável pela autópsia supracitada[. Após exoneração do cargo de Chefe do serviço de Tanatologia do Instituto de Medicina Legal de Lisboa, regressa a Coimbra por convite. Em 1927, fez parte integrante na organização da Sociedade Portuguesa de Biologia e de 1928 a 1933 foi Diretor do Instituto de Investigação Científica.

    Geraldino Brites foi, de igual modo, um brilhante intelectual. Desde 1926 que esteve na linha da frente na defesa dos valores laicos e republicanos tendo, inclusive, sido um dos principais divulgadores da revista Seara Nova em Coimbra (revista para a qual também colaborou).Teve ainda uma forte atuação no desenvolvimento de revistas de caráter científico: «fundou a revista Arquivo do Instituto de Histologia e Embriologia em 1929, para a qual contribuiu, publicando ainda vários artigos na Folia Anatomica Universitatis Conimbrigensis, de que foi co-fundador, e na Revista da universidade de Coimbra, além de outras revistas científicas»[.

    Geraldino Brites, último retrato (c. 1940)

    Além de todas estas características, Geraldino Brites era um amante das artes e da natureza, sendo um excelente desenhador e fotógrafo, como tão bem testemunham algumas das suas belas criações artísticas: desenhos a carvão realistas e fotografias da natureza e do meio envolvente. Parte deste espólio pertence a coleções privadas enquanto o restante se encontra depositado no Instituto de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.

    O facto de ser um forte opositor à ditadura militar – tendo sido, inclusive, preso no pavilhão-enfermaria de Lisboa entre os dias 3 a 9 de outubro de 1927 por suspeitas de conspiração contra a ditadura militar – e ao regime salazarista, fez com que este republicano e cientista português ficasse esquecido e encoberto por uma manta de silêncio.





  • Ciências Geográfico-Naturais (1.ª & 2.ª)

    Ciências Geográfico-Naturais (1.ª & 2.ª) «€35.00»

    Cassiano de Vilhena – Ciências Geográfico-Naturais (1.ª & 2.ª) – Porto Editora, Ldª – Porto – 1952/53. Desc.[407] pág / 21cm x 15cm / E. Original (Completo em Dois Volumes)